Tribunal retoma falência de incorporadora do M.Grupo – Jornal do Comércio

A suspensão da falência da Magazine Incorporações, pertencente a acionistas do M.Grupo e que ganhou projeção no Estado por concentrar obras inacabadas ou perder imóveis como o
Shopping Gravataí, durou pouco mais de um mês. O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul
(TJ-RS) reverteu a situação que havia criado e recompôs a falência, determinada pela juíza Giovana Farenzena, da Vara de Direito Empresarial, Recuperação de Empresas e Falências, em fevereiro de 2017.

O terceiro vice-presidente da 1ª Turma do TJ-RS, desembargador Túlio de Oliveira Martins, o mesmo que havia concedido a suspensão atendendo a recurso dos acionistas do M.Grupo – liderado pelo empresário paulista Lorival Rodrigues -, acabou reformando sua própria decisão. Em 10 de abril, Martins anulou a suspensão, pois o administrador judicial da massa falida não havia sido intimado sobre a medida.

“O terceiro vice-presidente do tribunal decidiu sobre o pedido da Magazine sem ouvir a administração antes”, explica João Medeiros Fernandes Júnior, sócio do escritório Medeiros & Medeiros Administração Judicial. O advogado ingressou com embargos de declaração alegando a nulidade da decisão do desembargador. “Ele acolheu nosso pedido revogando a decisão tomada”, completa Fernandes, citando que a lei de falências garante que o administrador judicial “seja intimado em todo e qualquer ato do processo”. A nulidade é prevista justamente quando este expediente não é seguido. 

No recurso contra a falência, a defesa dos acionista do M.Grupo alegou que a falência aniquilaria “todas as vantagens e os benefícios individuais, sociais e econômicos, afetando os sócios, o mercado e a sociedade”. O advogado do grupo, Marcello Knebel, disse, quando obteve a suspensão, que a empresa não se manifestaria. O desembargador, em março passado, suspendeu o processo, reconhecendo como “notórias as devastadoras consequências sociais e econômicas que a falência de uma grande empresa ocasiona, não apenas à pessoa jurídica, mas para toda a sociedade e ao Estado”. 

A Magazine Incorporações ergueu o Shopping Gravataí, que chegou a sofrer cortes de energia devido ao não pagamento de conta de luz pela direção do empreendimento. Hoje, o shopping está nas mãos de gestores de fundos que haviam aportado recursos e não foram pagos. A Ápice Securitizadora conseguiu executar garantias e tomar o shopping, o que ocorreu dias depois da Justiça decretar a falência da incorporadora, em 2017. O shopping está sendo administrado pela empresa Pro Overseas, de Porto Alegre, nomeada pela Ápice.

A derrocada do M.Grupo desde 2015 é marcada pelas obras inacabadas de três torres residenciais e duas comerciais em Canoas e um flat em Porto Alegre – todos com posse hoje dos compradores -, e venda de imóveis para investidores que acabaram não vendo a construção nem a remuneração prometida. Os donos do M.Grupo também compraram outros empreendimentos no interior do Estado por meio de empresas dos acionistas e que também geraram ações judiciais. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!