Guardia: PIB deve crescer 3% em 2018 e 3% em 2019, mesmo sem reformas – Exame

Segundo o ministro da Fazenda, é necessário para o Brasil o incremento dos investimentos, o que requer marcos regulatórios adequados

Por Estadão Conteúdo

access_time 19 abr 2018, 19h00

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou que o Brasil deve crescer 3% em 2018 e também 3% em 2019, mesmo sem a adoção de mais reformas estruturais pelo governo. “Mas, com reformas, o crescimento potencial sai de um nível ao redor de 2,5% para um patamar entre 3,5% e 4%”, destacou.

Contudo, Guardia ressaltou que as reformas estruturais precisam avançar no País, mas é necessário “atacar a questão fiscal, o que requer aprovação da reforma da Previdência Social.” Ele destacou que o teto de gastos do governo ficaria inviável se não ocorrer uma mudança estrutural do sistema de benefícios para aposentados no País.

“Precisamos também atacar a questão tributária, que é custo para governo e empresas. Precisamos fazer reforma tributaria, sem descuidar da questão fiscal”, apontou Guardia.

Segundo o ministro, é necessário para o Brasil o incremento dos investimentos, o que requer marcos regulatórios adequados. “Também são cruciais as privatizações, investimentos de infraestrutura com recursos do setor privado e equilíbrio fiscal”, disse.

O ministro apontou outros fatores que ajudarão no crescimento sustentável da economia, como medidas para reduzir o custo do crédito, como cadastro positivo e duplicata eletrônica. “Estamos discutindo autonomia operacional do BC, o que é importante para continuar a redução dos juros.”

Guardia afirmou ainda que a estimativa do Fundo Monetário Internacional (FMI) de crescimento de 2,3% para o Brasil neste ano “está um pouco mais conservadora” do que a média de economistas no País, que estimam que o PIB deve avançar 2,8%. Guardia destacou que a previsão do governo é de alta do PIB de 3% em 2018 e também de 3% para 2019.

“O Brasil saiu da recessão. Estamos no caminho do crescimento. Todos os segmentos estão crescendo, inclusive os investimentos, como em bens de capital. Temos também inflação sob controle e patamar de juros menor que a gente nunca viu”, disse o ministro. “O que é importante é a tendência.”

Ele fez os comentários para jornalistas em meio a sua jornada de reuniões no encontro do FMI em Washington.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!