Produo industrial deve ter avanado 1,1% em maro ante fevereiro, diz Ipea – Jornal do Comércio

A produção industrial, medida pela Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), deve ter avançado 1,1% em março ante fevereiro, conforme a projeção calculada pelo Indicador Ipea de Produção Industrial, divulgado nesta sexta-feira (20), pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Se confirmada a projeção, a produção industrial terá acumulado alta de 0,4% no primeiro trimestre, na comparação com o período imediatamente anterior. Indicador Ipea de Produção Industrial é calculado pelo Grupo de Conjuntura do órgão de pesquisas.

Na comparação de 2018 com 2017, a produção industrial de março deve ter avançado 4,4%, nas contas dos pesquisadores do Ipea. Com isso, a indústria teria encerrado o primeiro trimestre com alta de 4,3% sobre igual período do ano passado.

Segundo a nota divulgada nesta sexta-feira pelo Grupo de Conjuntura no site do Ipea na internet, o crescimento de março foi disseminado entre todos os componentes observados para estimar o comportamento da produção industrial. A produção de automóveis e a demanda por papelão ondulado, usado nas embalagens, são alguns dos dados observados para compor o Indicador Ipea de Produção Industrial.

“De acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), a produção total de veículos avançou 5,6% na margem, resultado que sucedeu dois recuos seguidos. Por sua vez, a Associação Brasileira do Papelão Ondulado (ABPO) indica que a venda de papel e papelão subiu 1,3% na margem”, diz a nota dos pesquisadores do Ipea.

Os movimentos na confiança dos empresários também são observados. Segundo os pesquisadores do Ipea, o Indicador de Confiança da Indústria, calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), teve alta de 1,3% em março ante fevereiro.

O único componente usado no Indicador Ipea de Produção Industrial que ficou na contramão foi a importação de bens intermediários. “Segundo a Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex), a importação de bens intermediários caiu 3,8%, terceira contração seguida”, diz a nota do Ipea.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!