Temer autoriza estudo sobre Eletrobras somente após aprovação de PL – Exame

Ministro Carlos Marun disse que formato final do decreto iria tranquilizar preocupações de Rodrigo Maia de que o Congresso estaria sendo “ultrapassado”

Por Luciano Costa, da Reuters

access_time 19 abr 2018, 20h32

São Pualo – O presidente Michel Temer assinou nesta quinta-feira um aguardado decreto sobre a privatização da Eletrobras, mas a versão final do texto contrariou algumas expectativas.

O decreto define que a inclusão da Eletrobras no Programa Nacional de Desestatização (PND) e sua qualificação para o início de procedimentos necessários à contratação de estudos exigidos no processo acontecerão “tão logo seja aprovado pelo Congresso Nacional” um projeto de lei sobre a privatização.

Autoridades falavam antes que a intenção do decreto, que será publicado no Diário Oficial da União da sexta-feira, seria acelerar o início dos estudos que serão contratados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) junto a consultorias.

O projeto de lei já está no Congresso, mas a base do governo tem encontrado alguma dificuldade para avançar nas discussões sobre a proposta.

“O esperado, o que se comentava, inclusive no governo, era que o decreto viria para agilizar toda essa parte dos estudos da privatização. Para esperar o projeto de lei é a mesma coisa que não existir decreto”, disse o sócio da área de energia e infraestrutura do Leite, Tosto e Barros Advogados, Tiago Lobão Cosenza. “Gastou-se tinta e papel”.

Mais cedo, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse que o formato final do decreto iria tranquilizar preocupações do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de que o Congresso estaria sendo “ultrapassado” com a publicação do decreto.

Para o advogado Julião Coelho, ex-diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a privatização da elétrica é um tema delicado e o formato final mostra que o governo tentou chegar a um acordo com o Congresso, até para não atrapalhar o avanço da proposta entre os parlamentares.

“Aparentemente isso foi uma composição…quando o ministro (de Minas e Energia) Moreira Franco disse que ia sair o decreto, isso causou um desconforto, e certamente chegou-se a um bom termo”, disse.

A expectativa do governo federal é que o projeto de lei sobre a desestatização da Eletrobras seja aprovado no Congresso Nacional até o final de maio.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!