Presidente do Banco Central espera que FMI melhore projeo de crescimento do Brasil – Jornal do Comércio

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, espera que o Fundo Monetário Internacional (FMI) revise para cima as projeções de crescimento para o Brasil, que ainda estão um pouco abaixo do que ele considera razoável. O organismo espera que o país tenha uma expansão do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,3% neste ano.

“É possível que o FMI ainda venha a ajustar para cima a revisão na próxima reunião. Se as nossas projeções e recuperação se mantiverem, eles vão acabar subindo”, disse durante entrevista a imprensa.

O FMI revisou a projeção de crescimento do Brasil em 0,4 ponto percentual neste ano, para 2,3%. A projeção do governo é que o PIB tenha um crescimento de 3% neste ano. O Banco Central trabalha com uma expectativa de 2,6%.

“Qualquer projeção entre 2,5% e 3% está dentro da margem razoável de projeções e isso é um pouco fruto da política monetária. A inflação mais baixa gerou um aumento da renda, que gerou consumo e deu início à recuperação”, afirmou.

Ilan também lembrou que o cenário econômico no Brasil é positivo, com juro e inflação baixos e recuperação gradual da economia. E mesmo que sujeita a algumas volatilidades, o país tem estrutura para lidar com isso. Além das reservas, o presidente do BC citou a boa condição das contas externas e um sistema financeiro capitalizado.

Godfajn reafirmou que a função da autoridade monetária é dar tranquilidade à economia e que uma atuação no câmbio será apenas para evitar a volatilidade excessiva. Acrescentou ainda que defende que a instituição tenha uma atuação neutra, independente do quadro político.

“Acredito que o papel do BC é dar tranquilidade e deixar o mercado funcionar, evitando uma volatilidade que vá além da conta. O que é isso? Uma volatilidade que não tenha ligação com os fundamentos da economia. O que estamos dizendo é que temos um seguro que vai nos ajudar a dar essa tranquilidade”, explicou.

O BC possui cerca de US$ 380 bilhões em reservas internacionais e o estoque de swap cambial foi reduzido de mais de US$ 100 bilhões para cerca de US$ 24 bilhões. Esse instrumento equivale a uma venda de dólar no mercado futuro e, por estar com um estoque baixo, pode ser utilizado em momentos de maior volatilidade.

Questionado se o período eleitoral é uma incerteza que poderia causar volatilidade, ele se limitou a dizer que algumas questões estão fora do domínio da autoridade monetária.

“Essa (incerteza) é uma das questões pela qual não temos uma recuperação forte. A recuperação gradual deriva de algumas outras questões que não estão atreladas à política monetária, e sim a fatores internos e externos. São questões que não estão no nosso domínio”, explicou.

Ele ainda acrescentou que é importante que a autoridade monetária mantenha uma posição o mais neutra possível.

“Minha contribuição no Banco Central é muito mais efetiva se eu conseguir me manter o mais neutro possível nas questões partidárias e políticas. O BC tem que trabalhar para qualquer cenário, independente do partido, e ser um ator neutro para ter o seu papel de órgão de Estado, ajudando o país a atravessar esse que é um ano de transição”, avaliou.

Sobre o impacto de disputas comerciais, como a iniciada pelos Estados Unidos, ele lembrou que a expectativa é que os países negociem e a situação se estabilidade.

“O risco é que isso não aconteça então por isso às vezes há uma certa ansiedade nos mercados. Me questionam se o Brasil se beneficiaria disso, eu digo que se isso afeta o crescimento global, então não acho que algum país vá se beneficiar”, disse.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!