Dólar ronda de R$ 3,50 com mercado em busca de novo equilíbrio – Valor

SÃO PAULO  –  A escalada do dólar se estendeu pelo quarto pregão consecutivo nesta terça-feira e aproximou a moeda ainda mais da marca psicológica de R$ 3,50, não testada há um ano e meio.

O real foi destaque de baixa nesta sessão. Num dia em que o dólar caiu em média 0,5% ante peso mexicano e lira turca, a moeda subiu 0,48% frente à divisa brasileira, para R$ 3,4681.

Desde 2 de dezembro de 2016 (R$ 3,4716) a cotação não operava em nível tão alto. Na máxima de hoje, alcançou R$ 3,4812.

Contra uma cesta de moedas de mercados importantes para o comércio exterior brasileiro, o real caiu ao ponto mais baixo desde 16 de junho de 2016.

Câmbio pressionado

Real toca mínima em quase dois anos ante cesta de moedas

Fonte: Valor PRO.

Observações: Índice com base 100 em 5 de maio de 2014

Analistas não citaram uma causa aparente para a nova alta do dólar de hoje. Mas lembraram que a depreciação do real já se estende há mais de um ano e se intensificou nos últimos meses à medida que os diferenciais de juros entre o Brasil e o mundo caíram a mínimas históricas.

O menor “spread” – na prática, menor prêmio pago ao investidor para correr o risco de ficar exposto em reais – tem seu impacto negativo aumentado devido à crescente incerteza eleitoral e ao ganho de apelo de outras moedas, como o peso mexicano.

Segundo analistas, a baixa nos spreads a favor do real tem tornado mais barato o uso do câmbio como instrumento de proteção a posições em outros mercados – como Bolsa e renda fixa.

Numa evidência de que a taxa de câmbio estruturalmente pode estar mais desvalorizada, a alta do dólar tem ocorrido sem “sustos”, com variações condizentes com o histórico. A oscilação mais ampla de alta neste ano foi de 1,54%, no último dia 9. A valorização em ritmo moderado e consistente indica que o mercado está levando o dólar a patamares mais altos por acreditar que o ponto de equilíbrio da moeda de fato subiu.

“Não é ‘risk-off’ com Brasil, não vejo piora do sentimento. A questão é que algumas variáveis que determinam o câmbio sofreram mudança estrutural. E o mercado está tentando achar qual esse novo ponto de equilíbrio”, diz Roberto Serra, da Absolute Investimentos.

Segundo ele, o Banco Central teoricamente não deveria atuar neste momento para frear a alta do dólar, já que há poucos sinais de que se trata de um movimento especulativo.

Em abril, a alta já é de 4,99%. Nesse mesmo período, investidores estrangeiros e institucionais nacionais já compraram, em conjunto, US$ 7,1 bilhões em contratos derivativos de câmbio na B3 neste mês.

Com isso, o não residente elevou sua posição líquida favorável ao dólar a US$ 19,129 bilhões. É o maior patamar desde o último dia 28 de fevereiro (US$ 20,319 bilhões). Já os institucionais nacionais reduziram sua posição líquida vendida em dólar para US$ 10,874 bilhões, a menor desde 22 de fevereiro deste ano (US$ 10,785 bilhões).

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!