Desemprego na RMPA fica em 11,8% na ltima PED – Jornal do Comércio

Na última edição da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) da Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a taxa de desocupação ficou em 11,8% em março, levemente acima do indicador de fevereiro, que fechou em 11,7%. A PED será interrompida após 26 anos de apuração e estava entre os quatro mapeamentos de Região Metropolitana que ainda eram feitos pelo Dieese e parceiros no Brasil. O governo contratou a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) sem licitação para fazer uma análise do mercado de trabalho gaúcho, usando dados divulgados por Ministério do Trabalho e IBGE. A Fundação de Economia e Estatística (FEE), que foi desativada, coordenava a elaboração. 

O número de desempregados em março chegou a 219 mil na RMPA, o mesmo do mês anterior. A certa estabilidade da taxa, como definiram as duas economistas do Dieese que fizeram o anúncio dos dados da edição de despedida, reflete o comportamento da População Economicamente Ativa (PEA) e da ocupação no mês. As duas variáveis tiveram a mesma redução absoluta – 16 mil pessoas a menos cada uma.

“Os primeiros meses de 2018 seguem no mesmo patamar de desemprego, que deve seguir em 2018”, projeta Virginia Donoso, que coordenava a PED no convênio entre a FEE e a Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (Fgtas). Oficialmente, nem FEE, nem Fgtas foram à divulgação ontem, mas integrantes das duas instituições – a FEE foi substituída pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE), criado pelo Estado, mas há decisão do Tribunal de Contas do Estado (TCE) contra o cancelamento do CNPJ – fizeram questão de ir ao evento. O tom da divulgação foi de pesar. “É um dia de muita emoção”, definiu a economista e coordenadora nacional da pesquisa, Lúcia Garcia.   

No mês, o comércio apresentou a maior redução de vagas, perdendo 13 mil postos, seguido por indústria de transformação (-8 mil postos) e construção civil, que cortou 6 mil vagas. O setor de serviços foi em outro sentido, gerando saldo positivo de 11 mil ocupações. Em 12 meses, o Dieese apontou que houve avanço de 0,8% na ocupação, com saldo de 13 mil postos acima de março de 2017. O setor privado foi o que mais fechou vagas, com 17 mil a menos em março, sendo 12 mil de carteira assinada. Autônomos registram 3 mil postos a menos, e empregados domésticos, menos mil. O setor público ampliou mil postos. 

O tempo médio de procura por trabalho ficou em 44 semanas, após chegar a 47 na largada do ano, em janeiro. Lúcia adverte para o comportamento da taxa de desemprego, que deve se manter no patamar acima de 11%, e dos rendimentos, que estão se aproximando do padrão do final dos anos de 1990 e antes da escalada da formalização, que sofreu baque após 2015, com a recente recessão. O rendimento real de autônomos teve avanço de 2,6% em fevereiro (mês do dado) frente a janeiro, ficando em R$ 1.611,00, mas, em 12 meses, teve perda de 3,8%. Já os assalariados tiveram alta real de 1,5% no mês, fechando em R$ 2.003,00, e de 6,3% frente a março de 2017. A indústria tem o maior salto em 12 meses, de 9,9%. 

 

A geógrafa Daurilia Oliveira da Silva está desempregada. Após coletar por 26 anos informações de pessoas com e sem trabalho para a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) em Porto Alegre, Daurilia, 58 anos, virou a própria estatística. Com o fim da PED e a última coleta feita em março, ela perdeu seu posto. Além de lamentar a situação que atingia quase 220 mil pessoas na Região Metropolitana no mês passado, a pesquisadora não escondia ontem, ao acompanhar a divulgação dos dados finais da série iniciada em 1993, a tristeza. 

“Fui a número 1 da PED. Lamento muito que termine, vamos perder muitos dados”, desabafou a geógrafa, que se diz uma “mulher de fé” e espera que o levantamento volte. Nos últimos dias de coleta, a geógrafa comenta que já se despediu de muitas pessoas que conheceu ao longo da apuração de dados, que a viam na rua com seu jaleco de recenseadora e a planilha de coleta de dados. “Fiquei 26 anos fazendo a PED. Com o fim, perdi o chão e não tenho perspectiva em outro segmento”, preocupa-se. Daurilia, que trabalhava como terceirizada no convênio da FEE com a Fgtas, diz que se sente como muitos moradores de quem coletava dados, que estavam quase para se aposentar, e acabavam sem trabalho. “É um baque”. 

“A ficha não caiu ainda”, reagiu Lúcia Garcia, coordenadora da PED pelo Dieese no País, indicando que espera retomar a pesquisa no futuro, mas que dependerá da recepção de quem estiver no governo, projetando uma tarefa para após 2018. Ao longo do ano, a entidade pretende divulgar estudos com a base de dados. Lúcia considera que a pesquisa foi afetada na esteira das extinções das fundações, como a FEE. “A pesquisa foi a primeira medida na extinção”, lembrou.

Lúcia cita que melhorias na realização da medição reduziram o custo em 55% ao longo dos anos. “A pesquisa era financiada com recursos do Ministério do Trabalho, que estavam contingenciados”, citou, para contrapor a tese do Estado de redução de gastos e de “política de Estado mínimo”. A coordenadora lamentou que o governo tenha preferido contratar a Fipe, sem licitação e com valor anual de R$ 3,3 milhões.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!