IGP-M acumula alta de 1,89% em 12 meses

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) registrou em abril alta de 0,57% e de 1,89% em 12 meses. Segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), a inflação medida pelo indicador registrou uma desaceleração em comparação ao 0,64% verificado em março. No acumulado dos primeiros quatro meses de 2018, o índice registrou alta de 2,05%.

A desaceleração do IGP-M foi influenciada pela queda no Índice de Preços ao Produtor Amplo, que ficou em 0,71% em abril contra 0,89% em março. O resultado foi puxado, principalmente, pelos grupos das matérias-primas brutas e dos bens finais. Em relação esse último, foi importante a retração da inflação dos alimentos in natura, que passou de 9,86% no mês passado para 2,5% no último resultado. O minério de ferro também teve uma queda expressiva, passando de deflação de menos 1,88% para menos 9,53%. A mandioca registrava menos 2,39% em março e foi para menos 7,93% em abril.

Por outro lado, os combustíveis, que compõem o grupo dos bens intermediários, tiveram comportamento contrário no período. O óleo diesel sai de uma deflação de menos 3,13% em março para uma alta de 8,36% em abril. A gasolina automotiva subiu de menos 0,22% para 6,54%.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) também teve elevação no período, saindo de 0,14% em março para 0,31% em abril. O resultado teve forte influência da alta dos custos com alimentação, que passaram de menos 0,08% em março para 0,18% em abril. Um destaque nessa evolução foi os laticínios, que tiveram aceleração de 0,15% para 1,09% no período.

A alta do IPC também foi puxada pelos gastos com saúde, que passaram de 0,36% em março para 0,85% em abril. O grupo foi afetado pelo aumento dos preços relacionados a medicamentos, que saíram de uma estagnação (0%) para uma inflação de 1,29%. Os gastos com habitação tiveram alta de 0,33% neste mês em comparação com o 0,19% verificado no período anterior. Nesse grupo, contribuiu a tarifa de eletricidade residencial, que passou de 0,83% para 1,24%.

O Índice Nacional de Custo da Construção teve ligeira alta de 0,23% em março para 0,28% em abril. Os custos de materiais e serviços subiram de 0,40% para 0,50%. Enquanto os gastos com mão de obra, que tiveram estagnação em março, foram para 0,18% neste mês.

 

Edição: Fernando Fraga

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!