EUA devem anunciar decisão sobre tarifas do aço e do alumínio nesta terça – Exame

Um posicionamento do governo norte-americano era aguardado no domingo, 29, mas, sem decisão até o fim do dia, tendia a ficar para esta segunda, 30

Por Lu Aiko Otta, do Estadão Conteúdo

access_time 30 abr 2018, 20h53

Brasília – Termina nesta terça, 1º, o prazo dado pelos Estados Unidos para concluir as negociações que permitiriam excluir um grupo de países, inclusive o Brasil, das sobretaxas de 25% sobre as importações de aço e de 10% sobre as de alumínio.

Um posicionamento do governo norte-americano era aguardado no domingo, 29, mas, sem decisão até o fim do dia, tendia a ficar para esta segunda, 30.

Assim, as autoridades brasileiras não sabiam se o prazo para entendimentos será prorrogado ou se as sobretaxas começarão a ser cobradas a partir de quarta-feira.

A expectativa mais otimista é que haja uma prorrogação por pelo menos 30 dias, sem aplicar a sobretaxa. Isso daria aos próprios Estados Unidos mais tempo para concluir as negociações de revisão do Nafta, o acordo com o Canadá e o México.

Ambos os países foram excluídos da sobretaxa desde o início justamente porque estavam nesse processo de negociação.

O período adicional também daria mais tempo para o próprio governo americano dar conta das duas frentes negociadoras que abriu a partir do anúncio da sobretaxa, em 8 de março passado. A primeira frente, que permitiria isentar países, é essa cujo prazo acaba nesta segunda-feira.

A segunda é a que permite a pessoas e empresas americanas pedirem ao Departamento de Comércio para excluir da sobretaxa produtos de aço e alumínio específicos.

Os pedidos foram apresentados, mas o governo norte-americano ainda os está analisando e o prazo para resposta termina em cerca de 60 dias. O prazo adicional permitiria aproximar os dois processos, que correm em paralelo, e evitar que houvesse decisões conflitantes.

Embora seja lógica, a prorrogação não era dada como certa na noite deste domingo. Uma fonte próxima às negociações comentou que, nos últimos dias, os Estados Unidos “endureceram o jogo” e passaram a demonstrar pressa.

Outra fonte que acompanha as negociações de perto informou que podem ser adotadas restrições conforme tipo de produto.

“Esse grau de instabilidade, em si, é ruim”, comentou o ex-secretário de Comércio Exterior Welber Barral, sócio da consultoria Barral MJorge. “Os importadores pararam as encomendas, já que é impossível precificar.”

Alvo da sobretaxa, a Coreia do Sul concordou em limitar suas exportações aos Estados Unidos por meio de cotas. Essa saída era oferecida também ao Brasil. Fontes do mercado admitem que a autolimitação da exportações é uma tendência.

Mas os negociadores brasileiros vinham resistindo à adoção das cotas. Eles argumentavam que uma autolimitação das exportações poderia ser prejudicial à própria indústria norte-americana, uma vez que 80% dos embarques para aquele mercado são de aço semiacabado. Ou seja, de matéria-prima para a indústria local. Além disso, perto de 14% do aço produzido naquele país vem de empresas com capital brasileiro, que empregam em seu conjunto 100.000 pessoas.

Outro argumento repetido pelo Brasil é o da complementaridade das indústrias. As siderúrgicas brasileiras não só fornecem insumos para as norte-americanas, como são grandes importadoras de carvão produzido naquele país, com compras anuais de US$ 1 bilhão.

O governo brasileiro também insistiu com os norte-americanos que as relações econômicas entre os dois países são francamente favoráveis aos EUA. Se consideradas as trocas de mercadorias e serviços, o saldo foi de US$ 250 bilhões no ano passado.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!