Economistas pedem para Trump evitar erros protecionistas dos anos 30 – Exame

Conselheiros econômicos de quatro presidentes e 15 ganhadores do Nobel estão entre os que pediram para governo se afastar de “atividades protecionistas”

Por AFP

access_time 3 maio 2018, 20h29

Mais de 1.100 economistas americanos enviaram uma carta ao presidente Donald Trump e ao Congresso nesta quinta-feira (3) pedindo que evite repetir os erros que agravaram a Grande Depressão nos anos 1930.

Os conselheiros econômicos de dois presidentes republicanos e de dois presidentes democratas, além de 15 ganhadores do Prêmio Nobel, estão entre os que pediram para o governo se afastar de “uma série de novas atividades protecionistas, incluindo ameaças de retirar-se de acordos comerciais, adoçãode tarifas em resposta a desequilíbrios comerciais e a imposição de taxas”.

A carta da União Nacional dos Contribuintes (NTU, na sigla em inglês), que defende a reforma tributária e os cortes de gastos do governo, foi postada no aniversário de uma missiva semelhante enviada ao Congresso em 3 de maio de 1930.

Ela também contava com assinaturas de mais de mil economistas pedindo aos legisladores que rejeitassem o Smoot-Hawley Tariff Act, uma medida comercial amplamente atribuída ao aprofundamento e prolongamento da crise econômica global.

“O Congresso não aceitou o conselho dos economistas em 1930, e os americanos de todo o país pagaram o preço”, disse a NTU.

“Os economistas abaixo assinados e professores de economia pedem veementemente que você não repita esse erro”.

A petição foi feita quando uma delegação de alto escalão do secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e o secretário de Comércio, Wilbur Ross, estão em Pequim negociando uma solução para a disputa comercial que teve início quando Trump impôs tarifas sobre o aço e o alumínio.

O governo Trump acusa a China de furto de propriedade intelectual americana e exige mudanças em suas políticas de investimento e de proteção de patentes. Também considera reduzir o acesso de empresas de alta tecnologia chinesas a produtos americanos.

A carta da NTU faz referência à missiva de 1930, que alertava que as tarifas prejudicariam os consumidores, por meio de aumentos de preços, e os agricultores, pela perda de mercados para seus produtos.

“Tal ação inevitavelmente levaria outros países a nos retaliar cobrando tarifas contra nossos bens”, disse a carta, acrescentando que essas políticas vão espalhar amargura.

“Uma guerra tarifária não fornece um bom solo para o crescimento da paz mundial”.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!