Formação Bruta de Capital Fixo tem queda de 9,1%

A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) do governo federal fechou 2016 com queda de 9,1% frente a 2015. A informação foi divulgada hoje (4), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e faz parte das Estatísticas de Finanças Públicas e a Conta Intermediária do Governo para 2016, elaboradas em colaboração com a Secretaria do Tesouro e o Banco Central.

Segundo o IBGE, a Formação Bruta de Capital Fixo, medida pela Conta Intermediária de Governo, apresentou queda nas três esferas de governo: municipal, estadual e federal, variando de R$ 101,9 bilhões em 2015 para R$ 92,7 bilhões em 2016.

A divulgação traz informações sobre o valor adicionado, a Formação Bruta de Capital Fixo e a capacidade/necessidade de financiamento nas três esferas de governo (municipal, estadual, federal), cujos dados são utilizados pelo IBGE no cálculo das Contas Nacionais (Produto Interno Bruto – a soma de todas as riquezas produzidas pelo país).

Financiamento

As informações indicam que, pelas Estatísticas de Finanças Públicas, a necessidade de financiamento do governo atingiu R$ 450,8 bilhões. Esse valor correspondeu a 7,2% do PIB naquele ano, o que leva ao recuo de 12,9% nessa necessidade de financiamento em termos nominais em relação a 2015, quando essa necessidade foi de R$ 517,6 bilhões.

Segundo o IBGE, em 2013 a necessidade de financiamento líquida representava 2,9% do PIB, indo para 5,8% em 2014 e para 8,6% em 2015. Em 2016, essa necessidade de financiamento líquido recuou para 7,2%.

Em 2016, o resultado foi influenciado principalmente pela queda das despesas líquidas com juros, que passaram de R$ 505,3 bilhões em 2015 para R$ 375,1 bilhões em 2016.

Essa redução foi mais do que suficiente para compensar um ritmo de crescimento menor das receitas de impostos e contribuições sociais, que atingiram, respectivamente, 4,6% e 4,9% e também o avanço das despesas com benefícios sociais (13,6%). Já o resultado operacional líquido, que exclui as transações com ativos não financeiros, recuou 9,8%, alcançando menos R$ 459 bilhões.

Embora todas as esferas de governo tenham apresentado queda na Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), a mais acentuada foi na esfera estadual, onde a FBCF caiu 13,6%, indo de R$ 34,5 bilhões em 2015 para R$ 29,9 bilhões em 2016.

O que é a FBCF

A FBCF é a operação do Sistema de Contas Nacionais (SCN) que registra a ampliação da capacidade produtiva futura de uma economia por meio de investimentos correntes em ativos fixos, ou seja, bens produzidos factíveis de utilização repetida e contínua em outros processos produtivos.

O informativo hoje divulgado apresenta dados sobre as finanças públicas do governo geral – setor institucional que compreende todas as unidades de governo (central, estaduais e municipais) e os fundos de Previdência Social por elas controlados, referentes a 2016.

A parceria tem o propósito de promover o intercâmbio e o compartilhamento de informações contábeis e fiscais entre as bases de dados dessas instituições, de forma integrada, por meio da harmonização de classificações, conceitos e procedimentos, com o objetivo de fortalecer e aprimorar a metodologia de apuração da conta intermediária do setor governo e das estatísticas de finanças públicas.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!