Programa Rota 2030 está 99% pronto, dizem fontes do governo – Exame

O principal ponto de disputa no programa para o setor automobilístico era o incentivo fiscal a ser oferecido às montadoras que investirem em pesquisas

Por Estadão Conteúdo

access_time 4 maio 2018, 08h13

Brasília – O Rota 2030, novo programa de estímulo ao setor automobilístico, está “99% pronto”, informaram na quinta-feira, 03, à noite fontes do governo. A expectativa é que o texto final com a nova regulamentação seja fechado nesta sexta-feira, 04, e o programa possa ser oficialmente anunciado na próxima semana.

Na quinta-feira, as arestas que ainda restavam entre os Ministérios da Fazenda e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) foram aparadas numa reunião com o presidente Michel Temer.

Ele entrou nas discussões no mês passado, depois que as divergências entre as duas pastas chegaram ao ponto de travar a elaboração do Rota 2030. O principal ponto de disputa era o incentivo fiscal a ser oferecido às montadoras que fizerem investimentos em pesquisa e desenvolvimento (P&D).

Uma primeira minuta da regulamentação do novo programa foi apresentada na quinta-feira a Temer. Segundo fontes, ainda há pontos em aberto. Por exemplo, os compromissos que as montadoras precisam honrar para ter acesso ao incentivo fiscal.

O MDIC vinha defendendo que a exigência de gasto mínimo de 1,2% da receita operacional bruta em P&D fosse reduzido. Esse investimento em pesquisa define o tamanho do incentivo. Na quinta, discutiu-se a produção de modelos híbridos como uma possível contrapartida ao benefício.

Fontes que estão participando das discussões nas últimas semanas disseram que haverá incentivo anual de cerca de R$ 1,5 bilhão, mas neste ano o valor deverá ser menor.

Tributos

Outro ponto que ainda dividia as duas pastas era a forma como o incentivo será usado. A ideia é converter os gastos em P&D, “turbinados” por um multiplicador, num crédito tributário, que poderia ser utilizado para pagar Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

O problema é que esses tributos só são pagos quando a empresa tem lucro e as montadoras alegam que sua lucratividade caiu. A solução seria permitir o aproveitamento dos créditos por alguns anos à frente. Havia divergência quanto a esse prazo.

Mas, após a reunião com Michel Temer, fontes informaram que o texto está praticamente concluído. A reunião desta sexta, que será coordenada pelo ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, tratará apenas de detalhes da nova regulamentação. A linha geral já está definida, segundo fontes. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!