Brasil está bem melhor que Argentina, diz economista da Coface – Exame

Segundo Patricia Krause, equanto “o déficit externo da Argentina é muito elevado, com 5% do PIB”, o do Brasil é de 0,4%

Por André Ítalo Rocha, do Estadão Conteúdo

access_time 10 maio 2018, 17h04 – Publicado em 10 maio 2018, 17h03

São Paulo – A economista-chefe para América Latina da seguradora de crédito francesa Coface, Patricia Krause, afirmou nesta quinta-feira, 10, que a economia brasileira está numa situação “bem melhor” que a da Argentina.

“O único ponto em comum entre os dois países que há é o déficit fiscal”, afirmou Patricia, durante palestra no qual apresentou panorama para a América Latina, no Country Risk, evento da Coface em São Paulo.

Segundo ela, uma das principais vantagens do Brasil em relação à Argentina é o setor externo. “O déficit externo da Argentina é muito elevado, com 5% do PIB, enquanto o do Brasil é de 0,4%. As reservas do Brasil são muito altas, enquanto a Argentina depende de recursos externos para se financiar”, disse.

Na avaliação de Patrícia, o banco central argentino “errou um pouco na mão” na maneira como reagiu à alta do dólar em relação ao peso. “O cenário é de descontrole. Essa tendência de valorização do dólar continua, independentemente do que a Argentina possa fazer”, declarou.

Apesar de considerar que o pedido de ajuda do país ao Fundo Monetário Internacional (FMI) foi uma decisão assertiva, a economista da Coface acredita que isso será ruim para a credibilidade do governo do presidente Mauricio Macri.

“Temos a lembrança do passado, de que, quando se buscava o FMI, havia um plano de forte ajuste fiscal, que levava o país à recessão. Isso não vai acontecer, mas leva à perda de credibilidade”, disse.

A previsão da Coface para a economia latino-americana é de crescimento de 3,2%. Segundo Patricia, a expansão será puxada por Brasil e Chile. A alta do PIB brasileiro foi revisada de 2,8% para 2,5%.

“A revisão se deu em função, principalmente, de dados de atividade aquém do esperado no primeiro trimestre”, explicou a economista.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!