Prejuzo da BRF cai 60,2% no 1 trimestre para R$ 114 milhes – Jornal do Comércio

A BRF registrou prejuízo líquido de R$ 114 milhões no primeiro trimestre de 2018, informou a companhia nesta quinta-feira, 10. O prejuízo é 60,2% menor do que o registrado em igual período do ano passado, de R$ 286 milhões. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) atingiu R$ 783 milhões no período, um aumento de 54,8% na comparação anual. A margem Ebitda cresceu 3,1 pontos porcentuais, para 9,5%.

A receita líquida da BRF somou R$ 8,203 bilhões, alta de 5% ante o primeiro trimestre de 2017. Segundo a empresa, o desempenho reflete os maiores volumes comercializados no Brasil, na Turquia e na Ásia, embora o preço médio tenha caído levemente no período. A companhia disse que o recuo do preço médio se deve a uma maior contribuição de produtos in natura no mix comercializado.

O resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 517 milhões no primeiro trimestre. Em igual período do ano passado, o resultado também ficou negativo, em R$ 413 milhões.

No Brasil, os volumes cresceram 9,6%, impulsionados principalmente pela categoria in natura (+22,5%) e processados (+4,7%). Esse desempenho pode ser atribuído à estratégia de oferecer um portfólio de produtos mais adequado à atual realidade de consumo no país, disse a empresa em comunicado. O volume também refletiu um maior número de clientes, que atingiu 191 mil pontos de venda no primeiro trimestre, um crescimento de 13,5% na comparação anual.

Na divisão Internacional, que consolida as operações de Ásia, Europa, Américas e África, o destaque foram os maiores volumes na China e em Hong Kong. No período, a receita líquida da divisão totalizou R$ 1,08 bilhão, alta 12,9%.

A receita líquida no Cone Sul, divisão que inclui as operações de Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai, aumentou 12,4% ante o primeiro trimestre de 2017, para R$ 592 milhões.

A empresa destacou também a alta dos preços do milho e do farelo de soja no primeiro trimestre, resultado da estratégia do produtor de retardar a comercialização após notícias de menor produção de soja na Argentina. Para o período de junho-agosto, a BRF espera a “normalização do preço do milho”, com expectativa de oferta dos estoques com a entrada da segunda safra de milho. “Apesar dos maiores preços de grãos observados ao longo do primeiro trimestre, seu impacto no custo da ração será mais evidente a partir do segundo trimestre, dada a inércia proveniente do ciclo de vida do animal e dos estoques na cadeia.”

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!