Dólar dispara a R$ 3,60, máxima em dois anos – Valor

SÃO PAULO  –  (Atualizada às 17h50) O mercado correu para o dólar nesta sexta-feira, movimento que não só anulou a queda de ontem e como levou a cotação a renovar a máxima de fechamento em dois anos.

No pico do dia, a divisa foi a R$ 3,6111. No fechamento, desacelerou um pouco os ganhos, mas ainda subiu para R$ 3,6011, alta de 1,55%. É a valorização mais forte desde 7 de dezembro do ano passado (+1,74%).

Na semana, o dólar se apreciou 2,20%, maior alta desde a semana finda no último dia 9 de fevereiro (+2,67%). Em maio, a moeda sobe 2,81%, intensificando os ganhos em 2018 para 8,68%. Em 12 meses, a divisa americana salta 14,45%.

Com exceção de uma ligeira queda logo após a abertura, o dólar operou em alta durante toda a sessão desta sexta-feira. Mas ampliou consideravelmente os ganhos na parte da tarde. Esse fôlego pôde ser visto também no exterior, onde divisas como lira turca, peso mexicano e peso argentino foram às mínimas, junto com o real.

No caso da moeda brasileira, foi citado algum receio de que candidatos de esquerda ganhem terreno em pesquisa CNT/MDA para Presidência da República a ser divulgada na próxima segunda-feira.

E analistas voltaram a citar demanda por proteção contra um cenário em que o Banco Central evite um sinal mais claro sobre fim do ciclo de distensão monetária.

O Comitê de Política Monetária (Copom) anunciará na próxima quarta-feira a decisão sobre a taxa básica de juros (a Selic). A expectativa do mercado é que o Copom promova novo corte de 0,25 ponto percentual, para uma nova mínima recorde de 6,25% ao ano. Mas alguns analistas dizem já haver espaço para o colegiado manter os juros estáveis agora, dados os riscos à inflação vindos da depreciação de 13% da taxa de câmbio desde o fim de janeiro.

“O BC teria argumentos para parar agora”, diz Joaquim Kokudai, gestor da JPP Capital. “Além de gerar mais volatilidade na moeda, acho que a economia real sequer tem algum benefício, já que o juro real de longo prazo poderia subir ainda mais [com um corte da Selic]”, completa.

A queda dos diferenciais de juros entre o Brasil e o mundo – na esteira justamente do recuo da Selic a mínimas históricas – foi incorporada pelo Itaú Unibanco em sua revisão de cenário divulgada nesta sexta-feira. E, com isso, o banco passou a ver dólar mais alto até o fim do ano – de R$ 3,25 para R$ 3,50.

Mesmo mais alta, essa projeção ainda é vulnerável a riscos tanto macroeconômicos (interno e externos) quanto relacionados à própria dinâmica do mercado cambial. “O cenário de diferencial de juros muito baixo ainda é muito recente, e existem incertezas quanto ao impacto total que ele pode ter sobre o mercado cambial”, afirma o Itaú.

Estrategistas do Morgan Stanley acreditam que a decisão em si de corte de 0,25 ponto percentual do juro básico não provocaria significativa pressão no real, já que no mercado de derivativos essa já é uma aposta dada como certa. Por outro lado, é o risco de o BC manter a porta aberta para mais afrouxamento monetário que preocupa.

Oficialmente, o Morgan Stanley ainda trabalha com taxa de câmbio de R$ 3,10 para o fim deste trimestre e de R$ 3,40 ao término de setembro, mês que antecede as eleições presidenciais.

Segundo os profissionais do banco, o prêmio de risco do real já está entre os maiores do universo emergente, o que em tese diminui as chances de mais alta. Além disso, há expectativa de que o dólar volte a cair no médio prazo em todo o mundo, o que tenderia a dar suporte à taxa de câmbio brasileira. A melhora dos fundamentos da economia doméstica também é um motivo a frear piora da dinâmica da taxa de câmbio, dizem.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!