Juros fecham em alta, com avano do dlar e nmeros da pesquisa CNT/MDA – Jornal do Comércio

Os juros futuros fecharam a sessão desta segunda-feira (14) em alta, novamente pressionados pelo desempenho do dólar ante a maioria das moedas de economias emergentes, incluindo o real, às vésperas da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom).

A moeda galga nesta segunda novos patamares, chegando a romper, nas máximas do dia, o de R$ 3,63, reforçando o debate sobre se o comitê deve ou não cortar a Selic nesta semana. As apostas de redução ainda são majoritárias no mercado.

Trouxe ainda desconforto o resultado da pesquisa CNT/MDA, sobre intenções de voto para a Presidência, que mostrou o ex-senador Ciro Gomes (PDT) à frente do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) – este o preferido do mercado e que segue com desempenho fraco.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para outubro de 2018, um dos mais líquidos entre os vencimentos curtos, estava, ao fim da sessão regular, com taxa de 6,245%, de 6,213% no ajuste de sexta-feira. A taxa do DI para janeiro de 2019 fechou e 6,360%, de 6,315% no ajuste anterior. A taxa do DI para janeiro de 2020 subiu de 7,29% para 7,41% e a do DI para janeiro de 2021, de 8,37% para 8,48%. O DI para janeiro de 2023 terminou com taxa de 9,61%, de 9,51%.

As taxas começaram o dia em viés de baixa, em linha com o alívio no câmbio, mas ainda pela manhã, passaram a subir na medida em que o dólar desacelerava a queda, com o mercado na expectativa pelos números da pesquisa, que sairia às 11 horas.

O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva segue liderando as intenções de voto, com 32,4% da preferência, ante 16,7% do deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ). Marina Silva (Rede) tem 7,6% e Ciro Gomes, 5,4%. Alckmin aparece em quinto lugar, com 4% das intenções de voto.

Lula está preso desde o começo de abril. Sem Lula, Bolsonaro tem 18,3%; Marina, 11,2%; Ciro Gomes, 9% e Alckmin, 5,3%.

A partir dos números, o dólar se firmou em alta e continuou pressionando a curva, num dia ruim para outras moedas latino americanas, com destaque para o peso argentino, que perto das 16h30 caía em torno de 7%.

O risco Brasil medido pelos contratos de Credit Swap Default (CDS) também subia perto de 1%, para 186 pontos-base. Perto das 16h30, o dólar subia 0,76%, aos R$ 3,6274, no segmento à vista.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!