Açúcar: Maior Produção e Redução da Demanda Pressionam Cotações no Spot – Investing.com

Apesar do mix de produção indicar que a safra 2018/19 será mais alcooleira, o clima seco tem acelerado a colheita da cana nas lavouras paulistas e, consequentemente, elevado a produção de . Conforme pesquisadores do Cepea, esse cenário, atrelado à baixa demanda de compradores, fez com que os preços do cristal voltassem a cair. De 7 a 14 de maio, o Indicador do Cristal CEPEA/ESALQ, cor Icumsa de 130 até 180, recuou 5,4% no mercado paulista, fechando a segunda-feira, 14, a R$ 52,68/saca de 50 kg. Outro fator que influenciou o recuo dos preços domésticos do açúcar cristal foi o comportamento dos valores do demerara na Bolsa de Nova York (ICE Futures), que estão em movimento de queda desde março/18. Vale (SA:) lembrar que o cenário externo é baixista, acarretado pela ampla produção de açúcar em vários países.

ETANOL: DEPOIS DE RECUAREM POR DOIS MESES, COTAÇÕES VOLTAM A SUBIR EM SP

Após dois meses em queda, os preços dos etanóis anidro e hidratado voltaram a subir em São Paulo, impulsionados pela maior demanda. Entre 7 e 11 de maio, o Indicador CEPEA/ESALQ do etanol hidratado fechou a R$ 1,5184/litro, alta de 4,95% em comparação com a semana anterior. O Indicador CEPEA/ESALQ do anidro subiu 1,15% na mesma comparação, para R$ 1,6516/litro. Conforme colaboradores do Cepea, a demanda aquecida das distribuidoras pelo etanol hidratado foi motivada, em grande parte, pelos reajustes nos preços da gasolina pela Petrobrás. De acordo com dados levantados pelo Cepea, o volume de etanol hidratado adquirido pelas distribuidoras junto às usinas foi bastante expressivo na semana passada, sendo 88% maior que o do período anterior. Nesse cenário, os preços dos etanóis nas usinas foram reajustados diariamente e em todas as regiões do estado paulista.

TRIGO: SECA CONTINUA ATRASANDO SEMEIO DA SAFRA 2018

O semeio de foi iniciado no Paraná na segunda quinzena de abril, mas as atividades ainda estão lentas, devido à estiagem na região Sul do País. Em função desse atraso, a área alocada ao cereal tanto no Paraná quanto no Rio Grande do Sul pode ser menor nesta temporada, segundo colaboradores do Cepea. De acordo com o Deral/Seab, apenas 7% da área havia sido semeada no Paraná até a semana passada, atraso de aproximadamente 20 pontos percentuais frente ao mesmo período de 2017. No Rio Grande do Sul, o cultivo ainda não foi iniciado. Em São Paulo e em Santa Catarina, produtores também estão atentos ao clima seco – as atividades nestes estados devem ser iniciadas com o retorno das chuvas. No mercado, as preocupações com o clima também deixam produtores retraídos, mantendo os preços do trigo em forte alta. Os negócios, por sua vez, têm sido pontuais, visto que a oferta de trigo de qualidade está baixa. Além disso, alguns compradores negociam apenas para repor estoques no curto prazo.

ALFACE: CLIMA FAVORECE PRODUÇÃO E VALORES RECUAM EM SP

A queda das temperaturas e o clima sem chuvas em excesso favoreceram o desenvolvimento e a qualidade das alfaces em Ibiúna e Mogi das Cruzes (SP), estabilizando a produção. Esse cenário pressionou as cotações da folhosa nessas praças nos últimos dias. Além disso, a demanda por alfaces diminuiu, por conta do clima mais frio, levando a sobras em algumas roças. Assim, segundo colaboradores do Hortifruti/Cepea, produtores estão reduzindo os valores pedidos, com o objetivo de aumentar o escoamento. Entre 7 e 11 de maio, o preço médio da alface americana recuou 10,8% na região de Mogi das Cruzes frente ao da semana anterior, para R$ 16,80/cx com 12 unidades. Em Ibiúna, a crespa teve média de R$ 10,03/cx com 20 unidades no período, queda de 24,03% na mesma comparação.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!