Depois de calote da Venezuela, governo altera regras de seguro – Exame

Novo texto considera risco comercial, político ou extraordinário a ser coberto pela União a inadimplência do devedor por prazo de 90 dias

Por Estadão Conteúdo

access_time 15 maio 2018, 14h35

Brasília – O governo federal publicou no Diário Oficial da União (DOU) decreto que torna mais rígidos trechos da regulamentação do Seguro de Crédito à Exportação (SCE), que, em nome da União e com lastro no Fundo de Garantia à Exportação (FGE), dá cobertura às exportações nacionais contra riscos comerciais, políticos e extraordinários.

Dentre as modificações, o novo texto considera risco comercial, político ou extraordinário a ser coberto pela União a inadimplência do devedor por prazo de 90 dias, contado da data do vencimento da primeira parcela não paga. Na regulamentação anterior, esse prazo era igual ou superior a 180 dias.

A nova regulamentação estabelece ainda que a garantia da União em operações de seguro de crédito à exportação incidirá sobre o valor do principal e, agora também, “sobre os juros remuneratórios” do financiamento, “acrescido dos juros remuneratórios compreendidos entre a data do inadimplemento da obrigação e o termo final do prazo para caracterização do sinistro nas hipóteses de risco de crédito”.

O texto passa ainda a considerar risco político ou extraordinário ato ou decisão das autoridades do “país do devedor” que impeça a execução do contrato garantido. O decreto anterior falava apenas em ato ou decisão de “outro país”, e não especificamente do país devedor.

Além disso, agora a cobertura da União, que é concedida via Ministério da Fazenda e dentro das normas aprovadas pelo Comitê de Financiamento e Garantia das Exportações (Cofig), “poderá abranger, por meio de garantia única, operações de crédito à exportação para diferentes exportadores e importadores”.

As mudanças na norma ocorrem depois que o Palácio do Planalto teve que recorrer ao Congresso Nacional para que o FGE pudesse bancar um calote dos governos da Venezuela e de Moçambique no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e no Credit Suisse. Assim, o Congresso aprovou no início do mês a abertura de R$ 1,164 bilhão para cobrir essas dívidas.

A abertura do crédito suplementar foi necessária porque o FGE é o avalista das operações e, embora tivesse o dinheiro para cobrir a inadimplência, a despesa não estava prevista no Orçamento, o que impedia o desembolso. O recurso suplementar aprovado resulta do cancelamento de verbas do Fundo de Amparo ao Trabalhado (FAT).

Dentre outras consequências, o não pagamento da dívida com BNDES e Credit Suisse pelo FGE poderia arranhar a imagem de bom pagador do Brasil no cenário internacional, prejudicar novas exportações de empresas brasileiras, já que o FGE ficaria impedido de garantir novas operações junto a bancos até a regularização, e também poderia inviabilizar a participação de companhias nacionais em licitações no exterior.

Esta não é a primeira vez que Venezuela atrasa pagamentos desse tipo. O primeiro default da Venezuela ocorreu em 31/8/2017, mas foi possível negociar com o governo venezuelano o pagamento atrasado, o que evitou indenização por parte do governo brasileiro.

Esse recurso aprovado pelo Congresso bancará a parcela vencida em janeiro de 2018 e que deveria ter sido paga até o fim de abril pela Venezuela, o que não ocorreu e teve de ser honrado pelo FGE em 8 de maio. Além da Venezuela, Moçambique tinha uma parcela de US$ 7,3 milhões em atraso, que também teve de ser honrada pelo Brasil.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!