Argentina rola dívida e acalma mercado – Exame

Governo de Mauricio Macri consegue acalmar os investidores com o dólar fechando em queda de 3,16%, cotado a 24,5 pesos

Por Estadão Conteúdo

access_time 16 maio 2018, 09h11 – Publicado em 16 maio 2018, 09h09

Buenos Aires – Em um dia tenso no mercado internacional e crucial para a Argentina, dado o vencimento de uma dívida de curto prazo emitida pelo Banco Central do país de 617 bilhões de pesos (cerca de US$ 25 bilhões), o governo de Mauricio Macri finalmente conseguiu acalmar os investidores, fazendo com que o dólar fechasse em queda de 3,16%, cotado a 24,5 pesos.

A terça-feira, 15, vinha sendo chamada de “superterça” no País, pois havia a preocupação de que os investidores não quisessem renovar os títulos do BC, as Lebacs, por não confiarem na economia argentina e na capacidade de pagamento da autoridade monetária. Uma opção por parte dos investidores de não renovar os papéis implicaria mais emissão de pesos, o que, por sua vez, resultaria em novas desvalorizações da moeda local.

O BC, porém, conseguiu renovar a dívida em 96%. Colaborou para isso o fato de o ministro de Finanças, Luis Caputo, ter anunciado de surpresa um leilão de títulos em pesos do Tesouro Nacional. Com a venda de papéis com vencimento para 2023 e 2025 – a taxas fixas de 20% e 19%, respectivamente -, o governo levantou US$ 3 bilhões. Segundo Caputo, o resultado do leilão representa um “voto de confiança muito contundente no país e no presidente Mauricio Macri”, em um dia em que as moedas emergentes sofreram.

Para o economista Andrés Borenstein, do BTG na Argentina, um mercado calmo na “superterça” era essencial para a Argentina. “Se não houver nenhum problema no mercado local e internacional até o fim de semana, a sensação será de que não há mais pânico”, disse.

Ação

De acordo com o economista Dante Sica, sócio da consultoria Abeceb, a Argentina começou a encerrar a turbulência pela qual passou nas últimas duas semanas nessa “superterça”. “Estamos em processo de estabilização. Houve uma ação do governo concreta e coordenada, e voltaram fundos que haviam deixado o país. Há sinais mais claros de que a corrida cambial foi interrompida.”

Para Martín Ravazzani, economista da consultoria Ecolatina, é “difícil” dizer que a crise acabou, mas a “impressão” é que o mercado está se tranquilizando. Ravazzani destaca que as estratégias do BC e do governo nos últimos dias tiveram sucesso, mas que o custo será alto.

Diante da fuga de capitais do país, o BC elevou a taxa básica de juros em 12,5 pontos porcentuais, para 40%, e se desfez de US$ 10 bilhões das suas reservais internacionais – sobraram US$ 52 bilhões -, enquanto o governo pediu ajuda ao Fundo Monetário Internacional (FMI). “Parece que (a turbulência financeira) não vai se transformar em algo maior, mas haverá aceleração da inflação e ainda não sabemos o que o FMI vai pedir (para conceder o empréstimo)”, disse Ravazanni.

Na última terça-feira, o Instituto Nacional de Estatísticas e Censo (Indec, o IBGE argentino) divulgou que a inflação de abril foi de 2,7% e que, no acumulado do ano, os preços já avançaram 9,6% – quase dois terços da meta anual de 15%.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!