BC da Argentina passa por teste e consegue rolar dívida bilionária – Exame

Medida conseguiu evitar uma saída de investimentos do país que enfrenta uma crise cambial; dia foi considerado um teste para o governo de Mauricio Macri

Por Agência Brasil

access_time 15 maio 2018, 21h16 – Publicado em 15 maio 2018, 21h07

O Banco Central da Argentina conseguiu rolar a dívida equivalente a 600 bilhões de pesos, que vencia nesta terça-feira (15), e com isso evitar uma saída de investimentos do país que enfrenta uma crise cambial. O dia foi considerado um teste para o governo de Mauricio Macri.

A dívida foi emitida em Letras do Banco Central Argentino, as Lebacs, os principais título usados para o financiamento da economia. Desde que o Tesouro dos Estados Unidos aumentou as taxas de juros, muitos dos que investiram nas Lebacs optaram por vender os títulos em pesos, comprar dólares e aplicá-los nos Estados Unidos ou em países mais estáveis. Se o Banco Central não tivesse refinanciado a dívida, milhares de dólares poderiam deixar o país – e a moeda norte-americana é usada como poupança na Argentina.

“A estratégia de bombeiro funcionou: o governo arrebentou a porta e conseguiu apagar o incêndio”, disse em entrevista à Agência Brasil, o economista Fausto Spotorno, da consultora Orlando Ferreres.

Para recuperar a confiança dos investidores, a Argentina começou a negociar, com o Fundo Monetário Internacional (FMI), uma linha de crédito.

Dólar

Apesar das medidas emergenciais, o dólar continuou a subir e chegou a operar a 25 pesos hoje, mas fechou o dia abaixo do valor. “Agora, o problema vai ser cortar os gastos, reduzir o déficit público e combater a inflação, que já é alta, e agora será mais ainda”, disse Spotorno.

Inflação

Nesta terça-feira, o Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec) informou que a inflação do país medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu para 2,7% em abril e acumula alta de 9,6% desde o início deste ano. Na comparação com abril de 2017, os preços subiram 25,5% no mês passado. O aumento dos preços em abril se deve aos fortes aumentos dos preços regulados dos serviços públicos, conhecidos como “tarifaços” de água, eletricidade, gás e outros combustíveis. O ministro da Fazenda, Nicolas Dujovne, avisou que a inflação será maior, e o crescimento menor.

O próprio presidente Mauricio Macri disse hoje sobre a “angústia e preocupação” dos argentinos, que temem repetir a crise de 2001 – a mais séria enfrentada recentemente. Mas garantiu que o país está longe disso.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!