“Sell In May” Reforça Dólar e Volatilidade – Investing.com

Em meio às adversidades do atual cenário econômico, o qual tem ímpeto reduzido devido em partes à instabilidade do cenário político e adicionado às externalidades presentes no momento, vê-se no corte de juros um importante instrumento de curto prazo.

O atual contexto tem difícil previsibilidade, principalmente pelo seu caráter mais global, que vai desde os deslizes das ações internacionais de Donald Trump, até a perspectiva de elevação acelerada, ainda não concretizada, da inflação americana.

Nesta conjunção de fatores, se une a usual volatilidade do mês de maio, marcado pela dissolução de posições mais arriscadas (“Sell in May”) e a busca por segurança, notadamente os Treasuries, a piora da questão argentina e localmente, o elemento político.

Com isso, o nível de previsibilidade dos eventos deve ficar relativamente baixa, até ao menos o início do período de férias no hemisfério norte, onde tanto os grandes players do mercado internacional se ausentam em partes, como se terá a real noção da demanda por combustíveis neste período.

Como se vê, a quantidade de informação a se digerir no mercado neste mês dificulta em muito entender o futuro próximo.

CENÁRIO POLÍTICO

A “doença do político tradicional” tem sido um importante elemento a se considerar na atual eleição e que tende a ser em partes revertida a partir somente das campanhas em televisão.

Os candidatos “outsiders” como Amoedo e Meirelles no entanto também falham em capturar a demanda pela novidade sem vínculos políticos, deixando o centro político reformista refém da velha guarda, notadamente Alckmin.

Ciro sofre tanto da doença do “tradicional”, quanto da auto implosão, todavia, se desenha como a alternativa mais viável da esquerda no curto prazo.

Quem ainda oscila mais ao centro, como Marina tem chances até interessantes, mas a pequenez do partido pode dificultar em muito os avanços a partir da campanha.

CENÁRIO DE MERCADO

A abertura na Europa é sem rumo e os futuros NY caem, com preocupações geopolíticas pesando.

Na Ásia, o fechamento foi negativo, com as oscilações do .

O opera em alta consistente contra a maioria das divisas, enquanto os Treasuries operam positivos em todos os vencimentos observados.

Entre as commodities metálicas, a alta é observada no em portos chineses e cai.

O petróleo abre em alta em NY e em Londres, entre as sanções ao Irã e o corte da OPEP.

O índice de volatilidade abre em alta acima de 0,4%.

CÂMBIO
Dólar à vista : R$ 3,6553 / 0,91 %
Euro / Dólar : US$ 1,18 / -0,389%
Dólar / Yen : ¥ 110,14 / -0,190%
Libra / Dólar : US$ 1,35 / -0,237%
Dólar Fut. (1 m) : 3659,86 / 0,88 %

JUROS FUTUROS (DI)
DI – Janeiro 19: 6,35 % aa (-0,12%)
DI – Janeiro 20: 7,35 % aa (-0,81%)
DI – Janeiro 21: 8,47 % aa (-0,12%)
DI – Janeiro 25: 10,14 % aa (0,60%)

BOLSAS DE VALORES

FECHAMENTO
: -0,12% / 85.130 pontos
: -0,78% / 24.706 pontos
: -0,81% / 7.352 pontos

: -0,44% / 22.717 pontos
: -0,13% / 31.110 pontos
: 0,15% / 6.107 pontos

ABERTURA
: 0,419% / 13024,33 pontos
: 0,065% / 5556,79 pontos
FTSE: 0,137% / 7733,59 pontos

Ibov. Fut.: -0,19% / 85584,00 pontos
S&P Fut.: 0,085% / 2711,30 pontos
Nasdaq Fut.: 0,123% / 6899,00 pontos

COMMODITIES
Índice Bloomberg: -0,11% / 90,07 ptos

Petróleo WTI: -0,21% / $71,16
:-0,69% / $77,89

Ouro: 0,01% / $1.290,71
Minério de Ferro: -0,01% / $67,58

: -0,11% / $18,40
: 0,12% / $403,50
: -0,66% / $112,90
: -0,43% / $11,45

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!