Abiquim: balança comercial tem déficit US$ 7,5 bi de janeiro a abril – Exame

De janeiro a abril, o Brasil importou US$ 12,1 bilhões em produtos químicos, enquanto as exportações totalizam US$ 4,6 bilhões

Por Por Luciana Lino, especial para a AE

access_time 16 maio 2018, 20h00

São Paulo – A balança comercial de produtos químicos registrou déficit de US$ 7,5 bilhões nos quatro primeiros meses de 2018, de acordo com dados preliminares da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim).

De janeiro a abril, o Brasil importou US$ 12,1 bilhões em produtos químicos – o maior valor registrado para o período desde 2014 -, enquanto as exportações totalizam US$ 4,6 bilhões. O motivo foi o aumento dos preços dos produtos importados.

O déficit equivale a um avanço de 17,6% em relação ao mesmo período do ano passado – entre janeiro e abril de 2018, o preço dos produtos químicos importados subiu em média 33,7% ante 2017. No acumulado dos últimos 12 meses (maio de 2017 a abril de 2018), o déficit é de US$ 24,6 bilhões, confirmando a tendência de alta.

“O expressivo aumento dos preços de importados em todos os grupos de produtos químicos acompanhados é o principal fator que responde pela elevação do valor importado para mais de US$ 12 bilhões, maior montante para o período entre janeiro e abril desde 2014”, afirma, em nota, Denise Naranjo, diretora de Assuntos de Comércio Exterior da Abiquim.

Os intermediários para fertilizantes permanecem como o principal grupo da pauta de importação brasileira de produtos químicos, com compras de US$ 1,6 bilhão de janeiro a abril, queda de 17,1% em relação ao mesmo período de 2017.

Já o grupo das resinas termoplásticas foi o mais exportado pelo País, com vendas de US$ 694,2 milhões entre esses meses, e uma retração de 12,2% em relação ao mesmo intervalo de tempo de 2017.

De janeiro a abril, os produtos químicos responderam por 22,3% do total de US$ 54,2 bilhões em importações e 6,1% dos US$ 74,5 bilhões em exportações realizadas pelo País.

As importações de produtos químicos movimentaram 11,5 milhões de toneladas e o volume das exportações chegou a 4,9 milhões de toneladas, retrações respectivamente de 15,9% e de 10,0% em relação aos quatro primeiros meses de 2017.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!