Copom: Missão Cumprida? | Investing.com – Investing.com

Uma parte do mercado financeiro bateu o pé após o Copom ter decidido dar um tempo nos cortes na Selic, mesmo enquanto aproximadamente 70% dos investidores – ao menos aqueles que operam com juros futuros – apostavam firmemente em mais alívio de 0,25 ponto percentual. Isso não aconteceu. Ilan Goldafjn, presidente do Banco Central, declarou missão cumprida após empurrar o juro ladeira abaixo 7,75 pontos percentuais em 20 meses, de 14,25% para .

Eis a explicação oficial:

“O cenário externo tornou-se mais desafiador e apresentou volatilidade. A evolução dos riscos, em grande parte associados à normalização das taxas de juros em algumas economias avançadas, produziu ajustes nos mercados financeiros internacionais. Como resultado, houve redução do apetite ao risco em relação a economias emergentes”, sinalizou o Copom.

Diferencial de juro

A decisão ocorre dias depois do país enfrentar uma valorização expressiva do no mercado de câmbio. Em quatro dias seguidos de pregão, a moeda norte-americana sofreu valorização de 3,71% e encerrou o dia de hoje negociada a R$ 3,694.

Enquanto o diferencial de juro entre o Brasil e os EUA é espremido, a enferrujada situação fiscal do país fica mais evidente. “Por conta dessa discrepância, o custo de oportunidade dos investidores ao correr riscos em uma economia emergente acaba se elevando e é inerente ao processo alterações no portfólio, induzindo um fluxo de saída de divisas para mercados considerados de menor risco”, opina o BB Investimentos em um relatório enviado a clientes nesta quarta-feira.

É a política, estúpido

A grita geral, contudo, é a que recai sobre a talvez simplória avaliação macroeconômica de que a economia fraca e a inflação baixa, per se, sustenta um juro baixo. Não é bem assim, principalmente no Brasil. “O panorama macroeconômico (recuperação estável, baixa inflação) sugere que as taxas devem permanecer em níveis baixos por algum tempo. Mas, como sempre no Brasil, a política provavelmente irá desempenhar um papel em determinar este rumo”, avalia o economista-chefe para mercados emergentes da Capital Economics Neil Shearing.

Ele lembra que ainda pode ser cedo, mas, com um candidato para a Presidência favorável ao mercado que ainda não saiu da manada, o balanço de riscos está inclinado para o BC sendo forçado a agir antes do que se poderia esperar. Shearing calcula a Selic subindo para 7% até o final do ano. É algo que o mesmo mercado que previu o juro a 6,25% também já precificou. O BTG Pactual (SA:), um que apostava na manutenção do juro, espera que a Selic volte a subir apenas ano que vem, mas que isso “certamente depende da evolução do equilíbrio de riscos aqui e no exterior, incluindo o resultado do ciclo eleitoral e as escolhas políticas do próximo governo”.

Ou seja, a parte do Banco Central foi cumprida. A batata quente, agora, está com a política.

Publicação Original

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!