FMI diz que irá agilizar aprovação de empréstimo à Argentina – Exame

O porta-voz do FMI afirmou que a atual crise da Argentina acontece pela volatilidade do mercado financeiro e é diferente da crise de 2001

Por AFP

access_time 17 maio 2018, 14h43

O Fundo Monetário Internacional (FMI) vai tentar aprovar rapidamente um programa de empréstimos para a Argentina, mas não deu detalhes sobre o crédito, segundo um porta-voz do organismo.

No entanto, o funcionário ressaltou que a situação atual – marcada pela “volatilidade renovada do mercado financeiro” que atingiu a moeda do país – é muito diferente da última vez em que a Argentina foi ao FMI em busca de ajuda.

As autoridades não têm data para concluir as negociações, mas o FMI “pode ​​agir rapidamente […] e pretendemos agir rapidamente”, disse o porta-voz Gerry Rice à imprensa em uma entrevista coletiva.

No entanto, o tamanho, o tipo exato e os termos do pacote financeiro farão “parte das discussões” com autoridades argentinas que começaram na semana passada. Os detalhes ainda serão resolvidos.

O conselho do FMI realizará uma reunião informal na Argentina na sexta-feira para obter uma atualização da equipe, mas o empréstimo final não será aprovado até que as negociações sejam concluídas, disse ele.

O país está buscando um crédito de “standby” de “alto acesso”, que de acordo com a imprensa pode chegar a 30 bilhões de dólares. As SBAs podem durar até três anos e geralmente concedem desembolsos periódicos à medida em que o país atinja as metas econômicas previamente acordadas.

Muito diferente

A decisão do presidente argentino Mauricio Macri de buscar ajuda do FMI foi uma medida arriscada, diante das relações amargas depois da última crise, há 17 anos, e da visão de que o FMI impôs condições duras que pioraram a crise econômica.

Mas Rice ressaltou que as condições mudaram.

“Nosso objetivo final é ajudar a apoiar as autoridades em seus esforços para fortalecer a economia argentina e proteger os padrões de vida do povo argentino e, particularmente, dos grupos mais vulneráveis”, afirmou.

Mas a situação é “muito diferente” da crise anterior, e as políticas e instituições foram “consideravelmente fortalecidas”.

Uma crise de confiança levou o peso argentino a cair quase 20% nas últimas seis semanas e forçou a Argentina a buscar uma ajuda financeira do FMI. Na segunda-feira, ele caiu seu máximo histórico de 25,51 por um dólar.

Mas Macri disse, na quarta-feira, que a crise cambial havia passado.

“O problema central é o déficit fiscal, temos que reduzi-lo, não podemos gastar mais do que temos e depender do mundo para nos emprestar dinheiro”, afirmou Macri.

Rice disse que o FMI “recebeu muito bem” os comentários de Macri, inclusive o reconhecimento dos desafios que seu governo enfrenta e “a propriedade do governo sobre as políticas necessárias para enfrentar esses desafios”.

O déficit orçamentário diminuiu para o equivalente a 3,9% do PIB no governo Macri.

A economia da Argentina, a terceira maior da América Latina, cresceu 2,8% em 2017 – expansão que espera manter este ano.

No entanto, o governo não conseguiu limitar a inflação persistentemente alta, que ultrapassou 20% por mais de uma década.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!