Governadores da oposição criticam e cobram medidas à gestão Temer – Valor

BRASÍLIA  –  Governadores de Minas Gerais e de seis Estados da região Nordeste redigiram nesta sexta-feira (18), no Recife, uma carta de cinco páginas com 11 reivindicações, além de uma série de críticas ao governo Michel Temer.

Assinam o documento os governadores Fernando Pimentel (PT-MG), Rui Costa (PT-BA), Camilo Santana (PT-CE), Ricardo Coutinho (PSB-PB), Paulo Câmara (PSB-PE), Wellington Dias (PT-PI) e Robinson Faria (PSD-RN). Destes, apenas Faria integra um partido da base do governo, que ainda não decidiu que candidato apoiará na eleição presidencial de outubro.

Os sete governadores criticam a tentativa de privatização da Eletrobras, pedem que a Chesf seja transformada em empresa pública vinculada ao Ministério da Integração, reclamam da mudança de metodologia de avaliação de risco dos Estados para a concessão de crédito e cobram, por exemplo, a definição de uma linha de financiamento de R$ 42 bilhões prometida no começo de março.

Eles afirmam que, diante dos prazos estabelecidos pela legislação eleitoral, são “levados a duvidar do firme propósito do governo federal de disponibilizar para os Estados da Federação os aludidos recursos”.

Na carta, os governadores afirmam que, apesar de ações da União como a renegociação das dívidas dos Estados e adoção de taxa de juros mais competitivas, “essas medidas não foram suficientes para a retomada da atividade econômica”.

Os governantes dizem que a gestão Michel Temer os trata como “adversários políticos” e diz que a população destes Estados é vítima de “pequenez cívica”.

Ao criticar a flutuação do preço do gás de cozinha, os governadores dizem que “fica clara a priorização do interesse empresarial sobre o social”.

Os governantes acusam o governo de insensibilidade social.

“Não podemos aceitar que a insensibilidade social leve a grande parcela dos mais pobres a pagar a conta do necessário ajuste das contas públicas”, diz trecho da carta, que critica ainda “cortes propostos em ações como o Programa de Aquisição de Alimentos […], assim como a política de desmonte do Sistema Único de Assistência Social, que nos levará a um aumento da escalada da violência”.

Eles criticam ainda a criação do Ministério da Segurança Pública sem a discussão com os Estados.

“Cabe ressaltar que sua eficácia se encontra na estrita dependência da definição de seu orçamento e da extensão de suas ações em todo o território nacional, sem o que teremos apenas mais uma estrutura burocrática na capital federal”, diz o texto.

“Urge, portanto, que todas essas questões sejam definitivamente enfrentadas pela administração federal, mediante franco entendimento com os governadores dos Estados”, dizem os governantes.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!