Para operadoras, 10 milhões de domicílios podem ter acesso à internet

As operadoras de serviços de telecomunicação defenderam hoje (22) uma plataforma com reivindicações para o setor. De acordo com o presidente da Telebrasil, organização que reúne empresas do setor de telecomunicações no país, Luiz Alexandre Garcia, se as medidas forem tomadas, podem expandir, até 2022, o acesso à internet banda larga fixa a 10 milhões de novos domicílios.

A carta, entregue ao ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Gilberto Kassab, durante evento do setor, também será encaminhada aos candidatos a presidente. “Precisamos de políticas públicas para incentivar a digitalização do país, melhorar a eficiência do Estado, trazer mais benefícios aos cidadãos e melhorar a competitividade das nossas empresas”, disse Garcia.

De acordo com o presidente, as telecomunicações são “a infraestrutura digital do país, mas estão fora da agenda pública”. Garcia criticou a legislação da área, classificando-a de “defasada”, com “regulamentos atrasados e complexos e obrigações desatualizadas” e defendeu a aprovação do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 79/16, que altera a Lei Geral de Telecomunicações, em tramitação no Senado.

“Caso todas essas medidas sejam adotadas, produziremos em quatro anos, até 2022, o atendimento a 10 milhões de novos domicílios com internet em banda larga, a instalação de 50 mil novas antenas de celular, a ativação de mais de 100 milhões de dispositivos de internet das coisas, a implantação de serviços de cidades inteligentes com municípios de mais de 50 mil habitantes, a criação de 100 mil novos empregos e 1 milhão de profissionais capacitados”, disse.

O ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab, defendeu a aprovação do PL em tramitação no Senado – Wilson Dias/Agência Brasil

PLC 79/16

O projeto de lei altera a Lei Geral de Telecomunicações para tratar da regulamentação da migração das concessionárias do regime público para o privado. O texto prevê a migração das concessões de telefonia fixa para o regime privado de autorização, em que não há obrigações mínimas a serem cumpridas.

Atualmente, as concessões de telefonia fixas impõem obrigações para as empresas, como a universalização dos serviços e a instalação de orelhões. Pela proposta que está no Senado, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) poderá autorizar a adaptação, mediante solicitação da concessionária. Com a mudança, as empresas não terão mais essas obrigações, mas afirmam que, em troca, deverão assumir compromissos de mais investimentos.

O documento apresentado nesta terça-feira propõe ações em três campos: atualização legal e regulatória, promoção da inclusão digital e redução de barreiras ao investimento. 

Decisão do Supremo

O texto do projeto de lei voltou a tramitar na Casa, em fevereiro de 2017, quando o Supremo Tribunal Federal determinou que a proposta retornasse para análise do Plenário do Senado. A decisão foi tomada após senadores contrários a iniciativa questionarem a decisão do então presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), de mandar a matéria a sanção presidencial após ela ter sido aprovada apenas em uma comissão especial. O texto atualmente está em tramitação na Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado. 

Defesa da aprovação

Pouco depois de receber a carta, durante sua participação no evento, Kassab encampou a defesa da aprovação do projeto. Para o ministro, as privatizações no setor de telecomunicações representam o “Brasil que deu certo”.  Ao comentar o processo, Kassab disse que é necessário “planejar os próximos 20 anos porque não existe um grau de conscientização para avançarmos em todos os aspectos”, citando o projeto que voltou a tramitar no Senado no ano passado.

“Passados tantos meses, estamos até um pouco mais otimistas. Mas, infelizmente, não existe a compreensão da parte de todos do quanto são importantes algumas ações modernizadoras para que em 20 anos se possa festejar o mesmo êxito que estamos festejando hoje, como a atualização do marco legal”, disse Kassab.

O ministro disse a jornalistas, após o encerramento da solenidade, que está confiante que o projeto de lei vai ser aprovado. 

Edição: Fábio Massalli

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!