Dólar e juro futuro sobem com preocupação com quadro fiscal e político – Valor

SÃO PAULO  –  O dólar e os juros futuros registram firme alta no começo da sessão desta quinta-feira, enquanto a crise dos combustíveis eleva preocupações sobre a situação política e fiscal.

Num sinal de que os fatores específicos pesam no mercado brasileiro, o real tem desempenho mais fraco que a maioria dos emergentes. Numa lista de 33 divisas globais, a moeda local só está melhor que a lira turca, que enfrenta turbulência política por causa da política de juros.

Às 9h52, o dólar comercial subia 0,35%, a R$ 3,6376, com máxima em R$ 3,6548. O contrato futuro para junho, por sua vez, avançava 0,36%, a R$ 3,6425. A alta é mais acentuada que a observada ante o peso mexicano (+0,34%) e o rublo russo (+0,37%).

O ambiente mais adverso do mercado também se reflete nos juros futuros de longo prazo, mais suscetíveis a riscos estruturais. O DI janeiro/2023 voltava a bater os dois dígitos e subia 10,080% (9,990% no ajuste anterior). Já o DI janeiro/2025 avançava a 10,650% (10,530% no ajuste anterior).

No ambiente doméstico brasileiro, a principal novidade do dia é a decisão da Petrobras em cortar o preço do diesel em 10% por 15 dias, em meio à crise dos combustíveis. A Câmara dos Deputados aprovou a reoneração da folha, mas isentou o diesel do PIS/Cofins. Com isso, fica também a preocupação com quadro fiscal.

Para o estrategista-chefe da Coinvalores, Paulo Nepomuceno, o governo atual perdeu credibilidade e a agora a “arrumação da casa” fica a cargo da próxima administração. E com os partidos mais populistas e de esquerda na frente das pesquisas de intenção de votos, o quadro se torna ainda mais desafiador.

“O que afeta o mercado é a fragilidade do governo (…) negociar com os caminhoneiros abre portas para pressão de outras categorias”, diz o especialista. Além disso, a redução do preço do óleo diesel acaba afetando a situação fiscal, pois fica a leitura de que será necessário aumentar outros impostos. “Ficou tudo razoavelmente abalado”, acrescenta.

E o ambiente externo também não contribui para os ativos. “É a somatória de tudo: situação fiscal cada vez mais deteriorado, crise dos combustíveis e externo ainda bastante tenso com Itália e Turquia agora no radar”, diz o operador Luis Laudísio, da Renanscença.

O mercado de taxas futuras também acompanha hoje o leilão tradicional de LTN e NTN-F. De acordo com operadores, até existe demanda por papeis de longo prazo, mas eles teriam de vir em níveis de taxas maiores. Até por isso, o Tesouro pode optar por lotes menores. Ouve-se inclusive de alguns profissionais que a instabilidade no mercado poderia pressionar o Tesouro a intervir no mercado com operações adicionais de compra e venda de títulos, embora o movimento ainda não seja explosivo nesta manhã.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!