Ibovespa cai com protestos, mas Petrobras sobe; dólar vai a R$ 3,66 – Valor

SÃO PAULO  –  O Ibovespa prolonga a sequência negativa iniciada na quarta-feira e opera na faixa dos 79 mil pontos, em meio à ineficácia das medidas anunciadas pelo governo para encerrar as greves de caminhoneiros, que já chegam ao quinto dia. Os papéis da Petrobras apresentam alta discreta, enquanto Vale, siderúrgicas e bancos vão na direção oposta.

Por volta de 13h30, o Ibovespa recuava 0,38%, aos 79.819 pontos, após atingir a mínima aos 79.441 pontos (-0,85%). O giro financeiro tende a ser menos intenso em relação ao das sessões anteriores: até o momento, soma R$ 4,5 bilhões, o que implica num volume projetado de pouco mais de R$ 10 bilhões ao fim do pregão.

Por ora, analistas dizem que o comportamento negativo da bolsa não pode ser classificado como um “sell-off”. “O mercado vive um período de ressaca. Petrobras havia subido muito e, agora, está se ajustando”, define um gestor de um fundo paulista. De todo modo, parece certo que o prêmio de risco para ativos brasileiros, de modo geral, subiu nos últimos dias. A crise deflagrada pela greve dos caminhoneiros enfraquece o governo e resulta numa piora do quadro fiscal. Além disso, dizem profissionais, o fato de o Copom não ter reduzido o juro mais uma vez em maio, como esperava o mercado, contribui para pressionar as ações, especialmente por causa do efeito dessa decisão sobre as taxas futuras de longo prazo.

Petrobras PN (+2,14%) e Petrobras ON (+1,21%) recuperam parte das perdas acumuladas ontem, quando fecharam em queda de cerca de 14%. O risco associado à estatal segue alto, com os investidores ainda temerosos quanto à possibilidade de interferência do governo nas atividades da empresa para tentar conter a crise dos combustíveis.

“O mercado ainda tenta adivinhar o que o governo vai fazer”, diz Ari Santos, gerente da mesa de operações da H. Commcor, citando a continuidade dos protestos de caminhoneiros. “Fica no ar o que poderá acontecer no fim de semana. Não tem como saber se a situação volta ao normal ou se o governo entra em choque com os caminhoneiros”, diz.

O presidente Michel Temer fará um pronunciamento sobre a paralisação dos caminhoneiros, de acordo com apuração do Valor. Ele está reunido com auxiliares e avalia o tom a ser adotado em sua fala. Segundo a Folhapress, o governo debate a conveniência do uso das Forças Armadas para liberar as estradas.

Nesse ambiente de incertezas, as demais blue chips apresentam desempenho negativo hoje. Bradesco PN (-1,03%), Santander Brasil units (-0,6%) e Itaú Unibanco PN (-0,07%) não dão continuidade às altas de ontem; Vale ON (-2,1%) recua na esteira do minério de ferro, cuja cotação caiu 3,7% na China.

Ainda na ponta negativa, destaque para as siderúrgicas, como CSN ON (-3,6%), Gerdau PN (-2,1%) e Usiminas PNA (-4,4%). O setor de varejo também recua, puxado por Lojas Renner ON (-2,4%) e Lojas Americanas ON (-2,3%).

No lado positivo, Gol PN (+4,3%) apresenta o maior ganho do dia, em meio ao cenário de dólar menos pressionado e queda na cotação do petróleo. Weg ON (+1,4%) e JBS ON (+1,3%) também aparecem entre os maiores ganhos.

Dólar

O dólar volta a subir frente ao real nesta sexta-feira, depois de ontem ter quebrado uma sequência de três quedas. De toda forma, a moeda brasileira tem desempenho diário melhor que vários de seus rivais emergentes e ainda caminha para um fechamento positivo na semana, período em que o Banco Central atuou de forma mais incisiva no mercado de câmbio.

Às 13h30, o dólar comercial subia 0,34%, a R$ 3,6590. No mercado futuro, o dólar para junho tinha alta de 0,32%, a R$ 3,6580.

Na semana, porém, a cotação acumula baixa de 2,26%. Esse desempenho dá ao real a vice-liderança de ganhos numa lista de 33 pares do dólar. Apenas o rand sul-africano (+2,57%) sobe mais no período.

Analistas reconhecem os efeitos negativos para a percepção de risco vindos da paralisação dos caminhoneiros em todo o Brasil. O noticiário acaba elevando o clima de instabilidade e incerteza, sobretudo ao investidor estrangeiro, num ano já marcado pela falta de definição do campo eleitoral.

“Você lê as notícias e vê um bate-cabeça no próprio governo. Isso passa uma sensação de instabilidade e de governo totalmente perdido. Claro que é ruim para o ambiente de investimento”, diz Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora.

Segundo Galhardo, o que “salva” o câmbio agora é a atuação reforçada do BC. “O BC conseguiu colocar alguma racionalidade no mercado com a maior oferta de swaps. E isso pelo menos limita uma piora aqui.”

O BC colocou mais cedo todos os 15 mil contratos de swap cambial tradicional em oferta líquida desses papéis. Até o momento, o Banco Central já injetou no mercado futuro o equivalente a US$ 5 bilhões via swaps. A expectativa é que, até o fim do mês, mais US$ 1,5 bilhão seja colocado no mercado.

O BC também vendeu todos os 4.225 contratos de swap cambial tradicional ofertados nesta sexta-feira em operação de rolagem do vencimento junho. Com isso, já garantiu a manutenção de 93% (US$ 5,23 bilhões) dos US$ 5,65 bilhões que deixariam o mercado no começo de junho caso a autoridade monetária não realizasse as operações de rolagem.

Os patamares mais razoáveis da taxa de câmbio e a atuação do BC, porém, não convenceram a Capital Economics, que revisou para cima suas projeções para o dólar ante o real ao fim de 2018 e 2019. Além de um cenário de dólar forte no mundo, a consultoria cita a queda nos diferenciais de juros entre o Brasil e o mundo como fator a seguir pressionando o câmbio.

Edward Glossop, economista da Capital Economics para a América Latina, espera agora que o dólar termine 2018 a R$ 3,80, contra R$ 3,50 da previsão anterior.

Ao fim de 2019, a moeda americana estará em R$ 4,00, ante estimativa anterior de R$ 3,60.

Juros

A trégua no mercado de juros durou pouco nesta sexta-feira. As taxas de longo prazo já voltam a operar em firme alta, diante da piora da percepção de risco para a cena local.

O acordo do governo para interromper a greve dos caminhoneiros é desafiado pelas paralisações dos motoristas nas estradas. E para além da crise dos combustíveis em si, especialistas destacam que o Planalto acaba aumentado a pressão sobre um futuro ajuste de contas.

O DI janeiro/2019 operava a 6,645% (6,660% no ajuste anterior); o Di janeiro/2020 marcava 7,530% (7,540% no ajuste anterior); o DI janeiro/2021 subia a 8,730% (8,690% no ajuste anterior); o DI janeiro/2023 avançava a 10,240% (10,130% no ajuste anterior); e o DI janeiro/2025 tinha alta a 10,830% (10,690% no ajuste anterior).

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!