Mercado Inicia Novo Mês com Velhos Problemas – Investing.com

O mês de junho no Brasil começa em uma sexta-feira espremida entre o feriado e o fim de semana e sem grandes mudanças no cenário doméstico, o que mantém o mercado financeiro pressionado. No exterior, a decisão de Donald Trump de revogar o adiamento da sobretaxa no aço, horas antes de as isenções temporárias expirarem, resgatou a guerra comercial e o tema pesou nos negócios ontem.

Aliados próximos dos Estados Unidos planejam retaliar na mesma moeda, aplicando bilhões de dólares em tarifas extras na importação de vários produtos norte-americanos. A reação foi rápida e veio após Trump mudar de ideia e decidir elevar os encargos sobre alumínio e aço importados da União Europeia (UE), México e Canadá, já a partir de hoje.

No mercado financeiro, o índice caiu 1% ontem e o teve queda de 0,7%, mas a sinalização para o dia já é positiva, após uma sessão mista na Ásia. Na Europa, a Bolsa de Milão lidera os ganhos hoje, após os movimentos populistas chegarem a um acordo para a formação de governo, enquanto na Espanha, é crescente o risco de Mariano Rajoy perder o poder. O e os bônus norte-americanos estão estáveis, assim como o .

Mas é o comércio mundial que preocupa o investidor. A decisão de Trump de suspender a isenção à importação de metais marca uma ação agressiva contra os principais parceiros comerciais dos EUA, que vinham lutando por um alívio permanente na taxação do aço e do alumínio. Juntos, UE, Canadá e México representam 40% dessas importações aos EUA.

A promessa dos aliados de responder com medidas em escala proporcional às ações dos EUA eleva as preocupações quanto à perspectiva de uma guerra comercial, já que o governo Trump também considera aumentar tarifas sobre as importações de automóveis – atingindo também o Japão – e planeja sobretaxar produtos chineses em US$ 50 bilhões.

Por ora, o investidor aposta que as ameaças comerciais não irão se materializar em uma guerra onde todo o mundo perde. Ainda assim, os imbróglios criados pela Casa Branca, seja no front comercial ou na esfera geopolítica, devem elevar a pressão nos mercados domésticos.

Por aqui, a tendência dos negócios continua sendo de baixa, diante da reversão de expectativas para o cenário político-econômico no país. No pano de fundo, estão as incertezas afloradas com o crescimento () e a inflação (), após o impacto da greve dos caminhoneiros na atividade e nos preços, somadas à questão fiscal, com as concessões do governo para reduzir o diesel elevando o rombo das contas públicas.

O fato de 2018 ser ano eleitoral amplia a tensão interna. A deterioração do mercado financeiro doméstico se agrava à medida que o investidor percebe a viabilidade ameaçada das reformas estruturais e do ajuste fiscal combinada com a perspectiva de um candidato de centro-esquerda ser mais competitivo no pleito do que um nome pró-mercado.

Em suma, os ativos domésticos ainda têm um longo caminho para se ajustar às verdadeiras tendências em curso da economia brasileira. Os investidores estrangeiros já vislumbram esse novo cenário e estão de saída do país, o que tende a manter a pressão de alta no dólar, com a moeda norte-americana furando novos patamares – o próximo em R$ 3,80.

Para se ter uma ideia, em apenas oito dias, os “gringos” retiraram mais de R$ 6 bilhões em recursos da Bolsa brasileira, culminando no pior desempenho mensal do desde setembro de 2014 e ampliando o saldo negativo de capital externo no ano para R$ 2 bilhões. Já na renda fixa, a pressão para que o Tesouro Nacional dê saída aos estrangeiros, que estão aplicados em taxas longas, estendeu o leilão de recompra de títulos públicos.

De hoje até a próxima terça-feira, o órgão fará novas operações de recompra de papéis, com vencimentos em 2025, 2027 e 2029. Tal postura deve provocar mudanças na estratégia de alongamento da dívida brasileira do Tesouro, no âmbito do Plano Anual de Financiamento (PAF), readequando a emissão de papéis de longo prazo.

Ou seja, considerando-se tanto o movimento na renda variável quanto no mercado de juros futuros, a direção do dólar é para cima. Assim, depois de subir quase 7% em maio, no quarto mês seguido de alta (+17,5% no período), não deve haver trégua na tendência de desvalorização do real.

Ainda mais diante da perspectiva de que o Federal Reserve irá promover o segundo aumento do ano na neste mês. Tal aperto tende a atrair recursos aplicados em ativos mais arriscados, como o do Brasil, em busca da rentabilidade mais segura oferecida pelos títulos norte-americanos.

A reunião do Fed, nos dias 12 e 13 de junho, é o grande destaque deste mês, pois ainda pairam dúvidas sobre o total de altas a serem promovidas no custo do empréstimo dos EUA ao longo deste ano. Para calibrar essas expectativas, o mercado financeiro está atento à expectativa de inflação mais elevada, vinda, principalmente, da pressão dos salários.

Por isso, merece atenção o relatório oficial de emprego nos EUA em maio, que será conhecido hoje. O chamado sai às 9h30 e a previsão é de criação de 195 mil vagas de trabalho no país no mês passado, após 164 mil novas vagas em abril, o que manteria a taxa de desemprego em 3,9%, no menor nível desde dezembro de 2000.

Mas o foco no payroll está no aumento do ganho médio por hora dos trabalhadores. A previsão é de alta de 0,3% em base mensal, a US$ 34,50, e expansão de 2,6% na comparação anual, acelerando o ritmo em relação ao observado nos três meses anteriores, quando a variação mensal oscilou entre 0,1% e 0,2%, e voltando ao verificado na virada do ano.

De um modo geral, os números evidenciam o mercado de trabalho norte-americano cada vez mais aquecido, em condições de pleno emprego, com as empresas oferecendo salários maiores enquanto buscam os profissionais adequados. Se confirmados, devem crescer as apostas de que o Fed aumentará os juros com mais rapidez neste ano.

Ainda na agenda econômica no exterior, serão conhecidos dados sobre a atividade industrial em maio nos EUA e na zona do euro, além dos gastos com construção nos EUA em abril (11h) e das vendas de veículos no país em maio. Na China, os índices dos gerentes de compra () na indústria ficou estável em maio, em 51,1.

Os dados calculados pelo Caixin/Markit indicam um aumento das encomendas, mas quedas nas vendas de exportação. Já o dado oficial chinês sobre a atividade industrial, que reflete mais as empresas estatais, ficou acima do esperado, em 51,9 no mês passado, de 51,4 em abril, sinalizando uma demanda externa robusta.

No Brasil, o calendário foi esvaziado pelo feriado e prevê apenas os números da em maio (15h).

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!