Saída de Parente da Petrobras reforça cautela no mercado de juros – Valor

SÃO PAULO  –  A decisão de Pedro Parente pedir demissão da Petrobras reforçou a cautela dos investidores, razão pela qual os juros de longo prazo não conseguiram dar sequência ao movimento de alívio observado no início desta sexta-feira.

A saída de Parente foi entendida pelo mercado como mais uma derrota na já cambaleante política econômica do governo Temer.

Depois de ter derrotas do lado fiscal e não conseguir garantir o ritmo de crescimento econômico desejado, os ajustes na política de preços da Petrobras podem colocar em questão a continuidade do processo de recuperação da companhia.

O receio dos investidores é que a saída de Parente tenha sido provocada por pressões para que outros ajustes sejam feitos, como, por exemplo, na fórmula da reajuste também da gasolina.

A melhora dos ativos domésticos ocorreu ao longo dos últimos meses porque alguns pilares econômicos foram recuperados, como por exemplo, um Banco Central independente e comprometido com o sistema de metas de inflação; uma política fiscal mais responsável, expressada especialmente pela fixação do teto de gastos; e maior independência na gestão da gigante Petrobras. A petroleira deixou de ser vista com um risco para os cofres públicos e voltou a ser uma empresa lucrativa, graças à gestão transparente e independente.

A preocupação com a política fiscal já vinha tomando conta do mercado com a greve dos caminhoneiros, uma vez que o governo teve de fazer várias concessões para interromper o movimento. E, agora, a saída de Parente coloca em questão também esse terceiro elemento de sustentação da confiança.

Além de alguns arranhões na política de reajuste diário nos preços dos combustíveis, o mercado vê risco de haver mais interferências na companhia, o que teria sido a razão para a demissão de Parente. “Vão querer usar a Petrobras”, disse um profissional do mercado financeiro.

Esse clima negativo limita, de dessa forma, a redução do prêmio de risco cobrado pelo investidor no mercado de juros. As taxas até operam em leve queda, reagindo a um fator técnico: a nova estratégia anunciada pelo Tesouro de reduzir a oferta de títulos de longo prazo e continuar com leilões de recompra de NTN-F. Mas, para profissionais, o preço dos títulos não podem voltar aos níveis anteriores ao início da greve porque o quadro mudou de forma definitiva.

No leilão de recompra de NTN-F realizado nesta sexta-feira, o Tesouro não aceitou nenhuma das propostas, o que mostra que não há uma pressão de saída por parte de nenhum player desse mercado.

No encerramento do pregão, o contrato futuro com venceimento em jaqneiro de 2012, o DI janeiro/2021, tinha taxa de 8,82%, ante 8,89% no ajuste anterior. Já o DI janeiro/2025 tinha taxa de 11,31%, ante 11,29%; enquanto o DI janeiro/2027 estava em 11,69%, de 11,67%.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!