Reforçando a integração Mercosul-Aliança do Pacífico, por Aloysio Nunes – Exame

Em artigo exclusivo para EXAME, ministro das Relações Exteriores defende aproximação entre MERCOSUL e o bloco formado por Chile, Colômbia, Peru e México

Por Aloysio Nunes, ministro das Relações Exteriores

access_time 4 jun 2018, 12h17

Artigo de Aloysio Nunes, ministro das Relações Exteriores e senador licenciado pelo estado de São Paulo

O Itamaraty promoverá no próximo dia 5 de junho, em Brasília, o seminário “MERCOSUL-Aliança do Pacífico: reforçando os vetores da integração”.

Reunindo empresários, jornalistas, parlamentares, acadêmicos e representantes governamentais, o objetivo do encontro é discutir as perspectivas da convergência entre os dois blocos e seu impacto nos países da região e em sua inserção na economia mundial.

Os participantes farão recomendações para a consolidação do processo de integração competitiva que os dois blocos decidiram trilhar juntos. O MERCOSUL e a Aliança do Pacífico são hoje projetos claramente complementares.

É verdade que houve um momento, no passado recente, em que os dois blocos pareciam caminhar em sentidos opostos. Alguns analistas chegaram a falar de um novo Tratado de Tordesilhas separando os países voltados para o Atlântico dos países que se projetam em direção ao Pacífico.

Graças à dinamização em curso do MERCOSUL, essa visão tornou-se anacrônica. Não há mais linhas imaginárias nem reais separando os dois blocos. A aproximação entre o MERCOSUL e a Aliança do Pacífico anuncia o surgimento de um novo polo dinâmico da economia mundial.

Juntos, os dois agrupamentos respondem por mais de 90% do PIB e dos fluxos de investimento direto estrangeiro na região e somam 470 milhões de pessoas, ou seja, 80% da população da América Latina e Caribe.

Iniciada em 2014, a cooperação entre o MERCOSUL e a Aliança do Pacífico intensificou-se no ano passado, com a definição de uma pauta concreta para orientar as atividades conjuntas, o chamado “Mapa do Caminho”. A verdade é que não partimos do zero, já estamos muito próximos da vigência de uma zona livre comércio na América do Sul, realidade que passa muitas vezes despercebida.

Dos países da Aliança – Chile, Colômbia, Peru e México –, apenas este último não possui um acordo de livre comércio com o MERCOSUL. Dispomos de uma base econômico-comercial bastante integrada, que agora procuramos aperfeiçoar e expandir.

Durante a presidência brasileira do bloco, no semestre passado, o MERCOSUL apresentou à Aliança proposta de acordo sobre facilitação de comércio para simplificar os trâmites de comércio exterior, uma forte demanda do setor privado em nossos países.

MERCOSUL e Aliança do Pacífico buscam assim aproveitar melhor os acordos comerciais existentes, fomentar a integração produtiva, avançar em temas regulatórios e incentivar a interação empresarial, com especial atenção às pequenas e médias empresas.

A intensificação dos laços com a Aliança do Pacífico ocorre em um momento de dinamismo da agenda econômico-comercial do Brasil e do MERCOSUL com a região. Estamos empenhados em ampliar um acordo de comércio bilateral com o México. MERCOSUL e a Colômbia concluíram, no ano passado, instrumento que expandiu a liberalização do comércio do Brasil com a Colômbia para 97% da pauta tarifária.

Em março, Brasil e Peru assinaram protocolo que antecipou a liberalização do comércio bilateral para bens do setor automotivo. Em abril, Brasil e Chile deram passo decisivo ao lançar a negociação de um ambicioso acordo de livre comércio, incluindo um amplo leque de questões não-tarifárias. Na mesma ocasião, foram assinados acordos de compras governamentais e de investimentos em instituições financeiras, criando novas oportunidades para as empresas de ambos os países.

O engajamento do MERCOSUL com a Aliança do Pacífico integra a estratégia de modernização da presença do Brasil no mundo. Traduz, de forma clara, o compromisso do governo do presidente Michel Temer com a integração regional e o livre comércio, peças-chave para a promoção do crescimento sustentado do nosso país.

No momento em que tendências protecionistas ganham força no cenário internacional, a aproximação entre o MERCOSUL e a Aliança do Pacífico representa uma inestimável contribuição para um sistema internacional de comércio aberto e equilibrado.

Vamos demonstrar na prática que é essa via, e não o retorno a fórmulas equivocadas do passado, que pode garantir o bem-estar e a prosperidade que todos almejamos para o Brasil, a região e o mundo.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!