Alimentos, transporte e luz sobem pressionando IPC-C1 de maio, diz FGV – Exame

Índice saiu de uma alta de 0,31% em abril para uma elevação de 0,60% em maio

Por Estadão Conteúdo

access_time 6 jun 2018, 09h04 – Publicado em 6 jun 2018, 09h03

Rio – As famílias de baixa renda gastaram mais com alimentação, transporte e energia elétrica em maio, o que pressionou o Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1) no mês, informou nesta quarta-feira, 6, a Fundação Getulio Vargas (FGV). O IPC-C1 saiu de uma alta de 0,31% em abril para uma elevação de 0,60% em maio.

Cinco das oito classes de despesas registraram taxas de variação mais elevadas: Habitação (de 0,23% para 1,02%), Transportes (de -0,16% para 0,64%), Alimentação (de 0,25% para 0,50%), Comunicação (de -0,18% para -0,06%) e Vestuário (de 0,32% para 0,35%).

Os itens de destaque foram a tarifa de eletricidade residencial (de 0,48% para 5,25%), gasolina (de -0,04% para 2,64%), hortaliças e legumes (de 4,28% para 11,98%), tarifa de telefone residencial (de -0,88% para -0,32%) e calçados infantis (de -0,25% para 1,48%).

Na direção oposta, as taxas foram mais baixas nos grupos Saúde e Cuidados Pessoais (de 1,32% para 0,66%), Educação, Leitura e Recreação (de 0,15% para -0,37%) e Despesas Diversas (de 0,29% para 0,11%), sob influência dos itens medicamentos em geral (de 2,28% para 0,67%), salas de espetáculo (de 1,59% para 0,14%) e clínica veterinária (de 3,66% para 0,29%).

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!