Brasil Azedou. Eleições, Privatização e Fiscal no Foco – Investing.com

O Brasil passa longe da tendência internacional de melhora dos ativos, numa conjunção de fatores que une perspectivas eleitorais ruins para o centro, indicação de limite da atuação fiscal do governo e derrotas na privatização.

Neste contexto, os ativos perdem parâmetro e o racional do mercado se esvai, com indicações, por exemplo, de alta de juros na próxima reunião do COPOM, o que não deve ocorrer, principalmente pela contaminação de preços pelo choque de oferta da greve dos caminhoneiros.

O cenário de dois candidatos não compromissados com a questão fiscal no segundo turno reflete mais os temores dos juros futuros e câmbio, do que a economia.

Assim, a questão política tende cada vez mais a ganhar espaço no mercado, principalmente com a proximidade da definição dos candidatos e das possíveis alianças, principalmente dos grupos de centro e esquerda.

CENÁRIO POLÍTICO
O contexto eleitoral divulgado na última pesquisa, onde uma série de candidatos de diversas vertentes se ‘embolam’ num virtual terceiro lugar, enquanto Bolsonaro e Ciro se firmam a um segundo turno, com ampliação da vantagem da direita mexe muito com a visão dos investidores.

O histórico de Bolsonaro dificulta em muito a visão de que ele deve adotar uma postura liberal, tão somente por conta do convite a Paulo Guedes para conduzir a política econômica.

A visão corrente é de que o candidato tem um viés estatizante mais próximo da esquerda do que da direita, ranço do posicionamento dos militares durante o regime de 64 a 85.

Ciro, ao menos, tem posição notória e Mauro Benevidez já soltou pérolas como o fim da “pejotização” por decreto, além do posicionamento dito desenvolvimentista, que pressupõe aumento de impostos.

CENÁRIO DE MERCADO
A abertura na Europa é positiva e os futuros NY sobem, após o mais um fechamento recorde do .

Na Ásia, o fechamento foi positivo, seguindo o ânimo do ocidente.

O opera em franca queda contra a maioria das divisas, enquanto os Treasuries operam positivos em todos os vencimentos.

Entre as commodities metálicas, somente ouro cai.

O abre em queda em NY e em Londres, com o aumento suplementar da produção americana.

O índice de volatilidade abre em queda acima de 2,5%.

CÂMBIO
Dólar à vista : R$ 3,8094 / 1,67 %
Euro / Dólar : US$ 1,18 / 0,427%
Dólar / Yen : ¥ 110,19 / 0,364%
Libra / Dólar : US$ 1,34 / 0,172%
Dólar Fut. (1 m) : 3806,41 / 1,61 %

JUROS FUTUROS (DI)
DI – Julho 19: 7,42 % aa (-0,12%)
DI – Janeiro 20: 7,89 % aa (3,54%)
DI – Janeiro 21: 9,05 % aa (3,31%)
DI – Janeiro 25: 11,80 % aa (3,96%)

BOLSAS DE VALORES
FECHAMENTO
: -2,49% / 76.642 pontos
: -0,06% / 24.800 pontos
Nasdaq: 0,41% / 7.638 pontos

: 0,38% / 22.626 pontos
: 0,53% / 31.259 pontos
: 0,50% / 6.025 pontos

ABERTURA
: 0,394% / 12837,52 pontos
: 0,008% / 5461,41 pontos
FTSE: 0,451% / 7721,45 pontos

Ibov. Fut.: -0,19% / 76617,00 pontos
S&P Fut.: 0,196% / 2757,00 pontos
Nasdaq Fut.: 0,118% / 7187,75 pontos

COMMODITIES
Índice Bloomberg: 0,12% / 89,81 ptos

Petróleo WTI: -0,61% / $65,12
:-0,01% / $75,37

: -0,09% / $1.295,29
: 0,34% / $64,78

: 0,05% / $18,45
: 0,33% / $385,00
: 0,00% / $119,45
: 0,92% / $12,13

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!