Juros fecham em alta, mas longe das máximas da sessão – Isto É

Os juros futuros desaceleraram o ímpeto de alta nesta quinta-feira, 7, mas, ainda assim fecharam em níveis bastante acima dos ajustes anteriores, num dia marcado por alta volatilidade nas taxas. O arrefecimento se deu em meio à redução do avanço do dólar, que voltou a ficar mais perto dos R$ 3,90 do que dos R$ 4. A crise de confiança do mercado em relação ao governo e o temor com o cenário eleitoral seguiram como principais panos de fundo nos negócios locais, na medida em que vai se fortalecendo a aposta na vitória de um candidato não-alinhado à pauta reformista para presidente.

No fechamento da sessão regular, a taxa dos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou em 7,585%, de 6,979% no ajuste anterior, e o DI para janeiro de 2020 tinha taxa de 8,84%, de 8,06% no ajuste de quarta-feira. A taxa do DI para janeiro de 2021 subiu de 9,23% para 9,79% e a do DI para janeiro de 2023, de 11,11% para 11,32%. A taxa do DI para janeiro de 2025 encerrou a 12,06%, de 11,97%.

As taxas já subiam pela manhã, na medida em que o dólar rompia os R$ 3,90, mesmo com a atuação conjunta do Banco Central e Tesouro para conter a volatilidade. O BC realizou, de maneira extraordinária, operação compromissada com prazo de 9 meses e o Tesouro, leilões extraordinários de compra e venda de NTN-F, que são papéis prefixados de prazo mais longo.

Depois dos leilões, as taxas longas dos DIs arrefeceram o ritmo, mas, ao contrário, as curtas e intermediárias ampliaram a alta para travar nos limites máximos de oscilação. Depois de os juros ficarem paradas por mais de uma hora nos limites, a B3 alterou tais valores e os negócios foram retomados.

“O mercado reabriu, mais ainda está bastante estressado. Dentro do que acontece hoje, tem questão técnica importante influenciando, na medida em que o mercado se desloca rapidamente. Isso ficou hoje bem caracterizado, porque não houve notícia que tenha desencadeado esse movimento”, explicou o economista-chefe da Guide Investimentos, João Rosal, citando movimentos de stop loss de grandes players.

A curva de juros já precifica 100% de chance de alta da Selic em junho. Segundo o economista-sênior do Haitong Banco de Investimentos, pouco antes das 16 horas, os DIs mostravam 32% de chance de uma elevação de 0,75 ponto porcentual e 68% de possibilidade de alta de 0,50 ponto. Mas, vale ressaltar, esse é um efeito da forte zeragem de posições nos últimos dias, que distorce bastante o nível das taxas, e não apostas firmes de que o Comitê de Política Monetária (Copom) vá fazer isso na reunião dos dias 19 e 20.

O post Juros fecham em alta, mas longe das máximas da sessão apareceu primeiro em ISTOÉ DINHEIRO.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!