Tesouro vai manter leilões extraordinários de títulos até fim de junho

O Tesouro Nacional anunciou que continuará fazendo, até o final de junho, leilões extraordinários de venda e recompra de títulos públicos. Ao longo da próxima semana, os leilões serão diários, mas depois o órgão avaliará se mantém ou reduz a frequência das operações. O anúncio foi feito pelo subsecretário da Dívida Pública, José Franco Morais, durante entrevista coletiva nesta sexta-feira (8). Ele também confirmou o cancelamento dos leilões tradicionais de títulos NTN-B, que ocorreriam semana que vem.

“Os objetivos desses leilões extraordinários são retirar o excesso de risco e prover referência de preços em momentos de elevada volatilidade”, afirmou Morais. A operação é parte de uma estratégia conjunta do Tesouro e do Banco Central de atuação tanto no mercado de câmbio quando no de títulos, conforme anunciou ontem (7) o presidente do BC, Ilan Goldfajn, com injeção de R$ 20 bilhões para segurar a moeda norte-americana.

Desde o dia 28 de maio até agora, já foram realizados nove leilões extraordinários, segundo o Tesouro. As operações somam R$ 4,3 bilhões em recompra de títulos e R$ 183 milhões em venda. Estão sendo negociados a recompra e a venda de Notas do Tesouro Nacional, Série F (NTN-F), que são títulos pré-fixados com resgate em 2023, 2025, 2027 e 2029.

Morais ressaltou, no entanto, que o patamar máximo de novos títulos públicos que o governo se propõe a vender, apesar do apetite do mercado, é de R$ 300 milhões. Segundo ele, isso se deve ao alto valor da taxa de juros que remuneram os títulos. “Considerando as taxas atuais praticadas no mercado, o Tesouro não tem interesse em emitir títulos longos [de longo prazo], seja pré-fixado ou indexado ao IPCA”, afirmou.

Ainda segundo o subsecretário, desde ontem, o governo está divulgando as informações detalhadas de cada leilão, como os valores das ofertas e o resultado dos negócios (recompra e venda). O estoque para emissões de papéis da dívida pública está atualmente em cerca de R$ 570 bilhões, o que daria, segundo Morais, uma autonomia de 8 meses a 9 meses para o governo atuar no mercado de títulos públicos.

Câmbio flutuante

Questionado sobre o momento de alta volatilidade no mercado de câmbio, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, ressaltou que as condições do país são mais favoráveis do que no passado. “O Brasil de 2018 é muito diferente quando a gente olha para a questão de taxa de juros, inflação e dívida pública. Em 2002, quando a nossa moeda perdia valor, imediatamente a dívida líquida do setor público aumentava. Não é o caso agora, o Brasil é um país com déficit em conta-corrente que está caminhando para zero, não temos nenhuma pressão no balanço de pagamentos. O setor público é credor líquido em dólar; quando o dólar fica mais caro, a dívida líquida do setor público cai”, argumentou.

O secretário do Tesouro defendeu a política de câmbio flutuante e disse que o valor de equilíbrio do dólar será definido pelo próprio mercado. “O Banco Central atua para reduzir a volatilidade. Quem define o valor taxa de câmbio de equilíbrio [do dólar] é o mercado”.

Edição: Davi Oliveira

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!