Capacidade de armazenamento de alimentos cai 0,6%, diz IBGE

A capacidade útil disponível no país para armazenamento de alimentos caiu 0,6% do primeiro para o segundo semestre de 2017, totalizando 167 milhões de toneladas. Os dados foram divulgados hoje (12), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os silos predominaram no segundo semestre com 78,8 milhões de toneladas, o que representa 47,2% da capacidade útil total do país. Apesar disso, houve uma queda de 0,5% na capacidade desse tipo de local de estocagem.

Os armazéns graneleiros e granelizados, responsáveis por 37,8% da armazenagem nacional, atingiram 63,1 milhões de toneladas de capacidade útil armazenável, apresentando crescimento de 0,1%.

Já os aos armazéns convencionais, estruturais e infláveis, somaram 25,1 milhões de toneladas, uma queda de 2,5% em relação ao primeiro semestre de 2017.

Alimentos estocados

O estoque de produtos agrícolas cresceu 28% no segundo semestre de 2017, na comparação com o mesmo período do ano anterior, ao passar de 24,6 milhões de toneladas armazenadas no segundo semestre de 2016 para 31,5 milhões no segundo semestre de 2017.

Entre os produtos agrícolas, o maior volume estocado foi o de milho (13,8 milhões de toneladas), seguido pela soja (8,5 milhões), trigo (3,8 milhões), arroz (2,1 milhões) e café (971,3 mil toneladas).

Em relação ao segundo semestre de 2016, os estoques dos principais grãos do país tiveram aumento no segundo semestre de 2017: milho (63,8%), soja (36,1%) e arroz (48,5%).

Edição: Kleber Sampaio

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!