Pode o IBOV Fazer Fundo com Vale no Topo? – Investing.com

Abaixo, eu trouxe a correlação entre o índice e os papéis da (SA:).

Em todos os retângulos azuis, temos os fundos do IBOV ao longo desses 20 anos. Tentei resumir nas principais correções. Há uma ligeira diferença percebida em algumas correções entre os fundos do IBOV e os da VALE; as ligeiras diferenças, consideradas as inerentes volatilidades entre um e outro, podem ser resumidas a intervalos curtos.

Ou seja, quero dizer que, olhada mais atentamente, a diferença se resume a 1-2 semanas em todas essas correções; em algumas correções, não há diferença alguma, isto é, na mesma semana em que o IBOV faz fundo, a VALE o faz também.

Explicado de outra forma. Em todas as correções do IBOV nesses últimos 20 anos, não vimos o IBOV cá embaixo e a VALE no topo.

Quando o IBOV termina sua correção, mesmo em clara tendência de queda como no período 2010-2016, a VALE não está no topo, ela corrigiu forte do topo atingido semanas antes.

Apenas ao longo de 2002, é que o IBOV faz um fundo e a VALE continua subindo. Quando ela caiu e corrigiu forte, o IBOV caiu, mas muito distante de seu fundo. O que produziu a exceção de 2002? Provavelmente o forte rally do x Real.

Vejam no segundo gráfico abaixo, que de abril-2002 até o início de outubro-2002, véspera das eleições presidenciais, o dólar saltou aproximadamente 80%; saiu da faixa de 2,25 para 4,02.

A pergunta que se pode fazer. Dólar em alta faz a VALE se manter lá no topo? O terceiro gráfico responde. Vejam que dólar e VALE nos últimos 20 anos andaram em direções opostas. A única exceção foi esse curto período de abril-2002 a out-2002. Isso ocorre porque historicamente dólar e commodities andam em direções contrárias. O fato da paridade “Dólar x Real” ter subido cerca de 80% em apenas 6 meses certamente desequilibrou a equação histórica a favor da VALE. Quando o dólar sobe lá fora frente a todas outras moedas, excluindo um componente interno e particular como aconteceu no Brasil em 2002, a “equação fora da curva” não é vista, impactando negativamente todas as commodities e, por conseguinte a VALE.

Temos visto nas últimas 2-3 semanas uma correção de cerca de 20% do IBOV sem afetar fortemente os papéis da VALE3, que até agora atingem uma queda de aproximadamente 8,5%. Não corresponde ao beta de 1,6 da VALE frente ao IBOV. Dado um beta de 1,6, a VALE já deveria ter caído cerca de 30%.

Poderíamos estar dentro do mesmo cenário de 2002, já que estamos no meio do furacão das eleições? Depende. Em 2002, tivemos uma alta de 80% do dólar frente ao Real de abril a outubro. Vamos usar o fundo de março desse ano para o “dólar x real”. Para termos o mesmo cenário de 2002 para “VALE x IBOV”, o dólar teria que subir nos próximos 3 meses e meio até a faixa de 5,70, cerca de 80% desde esses 3,20.

Caso contrário, dada a mesma comparação, IBOV atingirá o fundo dessa correção em curso apenas quando a VALE sair e sair muito do topo onde está, muito provavelmente voltar a faixa de 39,00.

IBOV em candles x VALE em linha lilás. Tempo MENSAL, 20 anos

Dólar x Real. Tempo MENSAL, 20 anos

“Dólar x Real” em candles x VALE em linha lilás. Tempo MENSAL, 20 anos

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!