Itaú vê apoio ao ajuste por candidatos e “reformas leves” em 2019 – Exame

Veja as previsões do banco para crescimento, inflação e desemprego em 2018 e 2019

access_time 14 jun 2018, 14h11 – Publicado em 14 jun 2018, 13h42

São Paulo – Crescimento mais fraco, riscos para a inflação e desemprego estacionado.

Esta é a economia brasileira em 2018 de acordo com avaliação feita por economistas do Itaú em reunião com jornalistas na sede do banco em São Paulo nesta quinta-feira (14).

O economista-chefe Mário Mesquita disse que o cenário “desafiador” é resultado de uma evolução positiva e duas negativas ocorridas nas últimas semanas.

O que surpreendeu para cima foi o PIB do 1o trimestre, com a demanda doméstica até melhor do que o balanço geral, e os dados de atividade de abril, com setores como serviços e produção industrial acima das expectativas.

“É uma recuperação que estava vindo de maneira moderada, mas robusta e consistente”, disse Renato Salles, economista do banco.

Já as notícias negativas foram o aperto das condições financeiras, com juros mais altos nos Estados Unidos e depreciação do real, e o choque da greve dos caminhoneiros.

O banco prevê que a produção industrial tenha tido uma queda de 9,5% em maio em relação ao mês anterior e que a inflação de junho venha bastante elevada, também com impacto do dólar.

Alguns setores, como o automotivo, não indicaram enfraquecimento da demanda então poderiam, em tese, compensar perdas nos meses seguintes.

Já outros que trabalham sempre no limite, como o de papel e celulose e alguns serviços, não recuperariam o tempo perdido. Além disso, o distúrbio impactou na confiança de consumidores e investidores.

O tamanho do efeito só ficará claro nos dados de agosto divulgados a partir de setembro, mas o Itaú trabalha com um impacto geral próximo aos 0,2% do PIB já citados pelo Ministério da Fazenda.

Veja as previsões do Itaú para a economia brasileira em 2018 e 2019:

Eleição e ajuste

Segundo Mesquita, a eleição de 2018 está mais parecida com a de 1989, com uma profusão de candidatos.

“Não vi nenhum, dos principais, que esteja ignorando ou minimizando a questão do ajuste fiscal”, diz ele.

Sem citar nomes, aponta que os economistas das equipes expressam preocupação com o tema mas diferem no equilíbrio dos remédios de cortes de gastos e aumentos de receita. O cenário para 2019 é de ajuste gradual com “reformas leves”, incluindo a da Previdência.

“Não é só Previdência, tem que discutir funcionalismo e subsídios. Mas a certeza é que sem Previdência a conta não fecha”, disse Pedro Schneider, economista do banco.

Schneider nota que o cumprimento do teto de gastos em 2019 está relativamente equacionado mas não comporta a continuidade dos subsídios para o diesel, hoje feita por crédito extraordinário (fora do teto).

O benefício está previsto para acabar no final do ano e se for estendido, precisará ser compensado por outros cortes de gastos.

Regra de ouro

Uma questão mais urgente é a regra de ouro, que impede o governo de se endividar para cobrir gastos correntes e que também está perto de um limite.

Schneider classificou como “muito inteligente” a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) protocolada ontem pelo deputado Pedro Paulo (DEM-RJ) para adaptar a regra.

A nova proposta é que ao invés da punição dos agentes, que incluem impeachment por crime de responsabilidade, a violação da regra dispare medidas corretivas automáticas como suspensão do abono salarial e cortes de jornada no funcionalismo público, com redução proporcional de salários.

“Mas a regra de ouro é só um termômetro; a doença mesmo é a trajetória insustentável da dívida”, nota.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!