PEC impõe medidas restritivas para cortar gastos e ampliar receitas – Exame

PEC pretende adaptar a regra de ouro num cenário em que a dificuldade para seu cumprimento nos próximos três anos é dada como certa pelo governo

Por Estadão Conteúdo

access_time 13 jun 2018, 22h18

Brasília – As restrições sugeridas na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que altera a chamada regra de ouro do Orçamento podem gerar uma economia de pelo menos R$ 123,35 bilhões em despesas, segundo estimativas feitas por consultores da Câmara dos Deputados. A equipe subsidiou o trabalho do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), que protocolou hoje a PEC que pretende adaptar a regra de ouro num cenário em que a dificuldade para seu cumprimento nos próximos três anos é dada como certa pelo governo.

A PEC retira as punições dos gestores, mas impõe uma série de medidas restritivas para cortar gastos e ampliar receitas. Os gestores continuarão incorrendo em crime de responsabilidade em caso de descumprimento da regra de ouro e pagarão multa administrativa se a norma estiver muito próxima do seu limite (95%).

A regra de ouro impede a emissão de dívida para pagar despesas correntes e existe para tentar frear o endividamento descontrolado do País. Só no ano que vem, o rombo esperado na regra é de R$ 260 bilhões, segundo o Ministério do Planejamento.

Pelas estimativas dos consultores, as medidas exigidas pelo descumprimento da regra também poderiam gerar um incremento de R$ 64,95 bilhões nas receitas. Os cálculos não são exatos, pois algumas decisões dependem de decisão política – por exemplo, a exigência inicial de planos de revisão de despesas e melhoria de receitas, ou um eventual desejo de cortar mais que os 10% das renúncias tributárias existentes, como é previsto em caso de violação.

No caso da economia de despesas, R$ 104,75 bilhões seriam poupados só em gastos primários – sendo R$ 17,6 bilhões com a suspensão do pagamento do abono salarial, uma das restrições previstas para anos de descumprimento da regra de ouro. Outros R$ 18,6 bilhões em despesas financeiras seriam economizados com a interrupção dos repasses de 40% do FAT ao BNDES.

Outros R$ 69,1 bilhões a serem obtidos teriam efeito apenas na regra de ouro. Seriam recursos desvinculados de fundos que hoje estão com recursos ociosos, mas atrelados a determinadas áreas.

O texto da PEC ainda prevê a possibilidade de o Congresso Nacional aprovar depois uma lei complementar para dispor sobre a regra de ouro, em substituição às regras previstas na Constituição. (Idiana Tomazelli – idiana.tomazelli@estadao.com)

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!