As únicas 5 cidades do Brasil com alto desenvolvimento econômico – Exame

Índice FIRJAN analisou renda, emprego, formalização e desigualdade de 5.471 municípios. Só 5 tiveram nota acima de 0,8, considerada “desenvolvimento alto”

access_time 1 jul 2018, 08h00

São Paulo – Apenas 5 municípios brasileiros têm desenvolvimento alto em Emprego e Renda: São Bento do Norte (RN), Capanema (PR), Telêmaco Borba (PR), Selvíria (MS) e Cristalina (GO).

Os dados são do último Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal, divulgado na última quinta-feira (27) com dados PARA 2016 de 5.471 municípios onde vivem 99,5% da população brasileira.

O Índice geral tem três eixos (Emprego e Renda, Educação e Saúde) baseados em dados oficiais dos respectivos ministérios (Trabalho, Educação e Saúde).

A nota varia de 0 a 1: quanto mais próximo de 1, melhor é o desenvolvimento da cidade. Para ser considerada de desenvolvimento “alto”, a nota precisa ficar acima de 0,8.

Na parte de Educação, focada em indicadores de ensino básico como taxa de abandono e posição no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), 2.391 municípios brasileiros conseguiram uma nota maior do que 0,8.

Em Saúde, eixo que considera variáveis como atendimento pré-natal, mortalidade infantil e óbitos evitáveis, 2.698 municípios ficam acima da nota de 0,8.

Em Emprego e Renda, foram apenas os 5 municípios citados. Os critérios utilizados foram geração de empregos formais (anual e média trienal), geração de renda (anual e em relação à média trienal), taxa de formalização, massa salarial e desigualdade de renda no trabalho formal.

A capital brasileira mais bem posicionada neste eixo foi Florianópolis, em Santa Catarina, no 27º lugar com nota 0,7680. São Paulo está em 493º, com nota 0,6452.

A nota média brasileira em Emprego e Renda é de 0,4664, uma leve alta em relação ao ano anterior após duas quedas consecutivas em 2014 e 2015.

“A partir de 2013 tivemos a maior crise que o país já passou, e isso está capturado de forma bastante clara na variável de Emprego e Renda”, diz Jonathas Goulart Costa, coordenador de estudos econômicos da FIRJAN.

O motivo para a leve recuperação do Índice de Emprego e Renda em 2016 foi de que apesar de 60% das cidades terem continuado fechando vagas, houve melhora na massa salarial e na renda média.

“O movimento é explicado pelo aumento no rendimento real do trabalhador formal, em parte por conta da política de reajuste do salário mínimo”, diz a nota da FIRJAN para a imprensa.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!