Mercados Globais Iniciam Segundo Semestre em Baixa – Investing.com

Os mercados globais iniciaram o segundo semestre com o pé esquerdo. Os mesmos riscos, bem conhecidos pelo mercado (como tensões comerciais e problemas políticos), permanecem assombrando os índices acionários no mundo. As bolsas asiáticas encerraram seus negócios em baixa. Tóquio registrou queda de 2,2%, enquanto registrou queda de 2,5%. A depreciação do continua a contagiar o mercado de commodities, derrubando os preços de minerais e metais básicos.

O efeito da depreciação do yuan se espalhou pelos mercados emergentes e pela Europa. As mineradoras, somadas aos bancos (sobretudo os espanhóis e italianos) apresentaram as piores quedas nas bolsas europeias, liderando quedas de até 1% nos principais índices acionários da Zona do Euro. Os índices futuros em Wall Street sinalizam uma abertura com queda de 0,5%, no mesmo tom do restante das bolsas.

Na agenda econômica do dia, os agentes aguardam os indicadores PMI dos Estados Unidos, que devem apresentar o desempenho da indústria americana. O PMI chinês veio abaixo da expectativa (51 pontos em junho, contra expectativa de 51,1 pontos), sugerindo que a economia chinesa está sentindo os efeitos das tensões comerciais. Houve uma queda expressiva nas exportações. A Coréia do Sul, gigante exportadora, também sentiu uma queda em suas exportações. Essa safra de indicadores PMI deve ser acompanhada com cautela pelos mercados. Na semana, atenção à folha de pagamentos americana — o —, na sexta-feira.

Brasil

No Brasil, o mercado abriu em linha com as bolsas internacionais. Aos 72.000 pontos, a bolsa deve sofrer com a baixa liquidez, momentos antes do jogo do Brasil. O ritmo dos negócios deve seguir o cenário externo. Como toda segunda-feira, o mercado ajustou as expectativas. As expectativas para o câmbio e para os índices de preço continuam a subir, enquanto a expectativa para a taxa básica Selic foi mantida. No industrial brasileiro, o indicador foi abaixo do nível de estabilidade, indo ao retrocesso devido à greve dos caminhoneiros. Houve uma queda no volume de produção e de novos pedidos pela primeira vez em dezesseis meses, como anunciou a Markit Economics. Ademais, os custos de insumos registraram altas taxas de crescimento. Veja o PMI ao lado da produção industrial:

PMI Industrial do Brasil

O destaque desta semana ficará por conta do IPCA. Atenção também ao IBGE, que divulgará a Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF).

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!