OCDE e FAO: produção agrícola mundial deve crescer 20% em dez anos

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) estimam que a produção mundial de produtos agrícolas e pesqueiros cresça 20% na próxima década. O aumento será ainda maior nas regiões em desenvolvimento, como a África Subsaariana, Ásia Meridional e Oriental, Meio Oriente e Norte da África. Movimento oposto deve ocorrer nos países desenvolvidos.

A projeção está no estudo “Perspectiva Agrícola da OCDE-FAO 2018-2027”, divulgado hoje (3), que traz uma análise detalhada sobre as expectativas para os próximos dez anos a partir do que ocorreu na última década.

De acordo com o relatório, a produção agrícola global cresce de forma constante, conseguindo atingir níveis recordes, em 2017, no caso de tipos específicos de cereais, carne, lácteos e peixes. Porém, a manutenção deste cenário envolve o incentivo do comércio agrícola, fundamentado em políticas específicas para o setor.

Segurança alimentar

Para especialistas, a segurança alimentar depende de estímulos à produção e ao comércio agrícola. Na divulgação do estudo, o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría, e o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva, ressaltaram a importância de adoção de políticas específicas para o setor como forma de assegurar alimentos à população.

Gurría e Graziano disseram ainda que, apesar da projeção de aumento da produção, há uma tendência de queda da demanda mundial. Eles atribuem a desaceleração da demanda ao declínio gradual nas taxas de crescimento da população global.

Oriente e África

O relatório foca no Oriente Médio e no Norte da África que enfrentam problemas de insegurança alimentar, aumento da desnutrição e limitações no manejo de recursos naturais. De acordo com o estudo, a desnutrição se concentra em áreas tomadas pelos conflitos e instabilidade política.

Independentemente das dificuldades, a demanda por alimentos aumenta rapidamente nessas regiões em decorrência do crescimento populacional, principalmente para o consumo de trigo, açúcar e gordura, provocando um outro desafio: vencer o sobrepeso e a obesidade.

Espera-se um forte crescimento da produção em regiões em desenvolvimento com um crescimento populacional mais rápido, incluindo a África Subsaariana, o sul e o leste da Ásia e o Oriente Médio e Norte da África.

Queda

No estudo, a avaliação é que o crescimento da produção agrícola e de pescados seja menor nos países desenvolvidos, principalmente na Europa Ocidental. A previsão é de enfraquecimento da demanda global associado ao declínio do crescimento populacional, desacelerando o consumo por pessoa e a demanda por produtos de origem animal, especialmente carne.

A partir desta análise, a estimativa é que a queda do consumo de carne iniba a demanda por cereais e farinha de proteína usada na alimentação animal. Com o consumo e o crescimento da produção mais lentos, a tendência é de o comércio agrícola e de peixes reduzir à metade na próxima década em comparação ao mesmo período passado.

Sem alterações

O relatório informa ainda que a demanda por cereais e óleo vegetal para a produção de biocombustíveis deverá permanecer praticamente inalterada nos próximos dez anos, diferentemente do que ocorreu na última década. O destaque é para a expansão dos biocombustíveis para mais de 120 milhões de toneladas adicionais de cereais, sobretudo, milho.

De acordo com o estudo, a falta de apoio dos países desenvolvidos aos biocombustíveis ocorre em oposição ao que há entre os em desenvolvimento que devem estimular sua expansão. Segundo o relatório, o uso de cana-de-açúcar para a produção de biocombustíveis deve aumentar.

Edição: Sabrina Craide

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!