Queda do preço internacional deve baratear xícara de café – Exame

A seleção brasileira continua ganhando na Copa do Mundo, mas uma das principais commodities exportadas pelo Brasil está perdendo.

Os contratos futuros do café continuam caindo e atingiram o menor nível em 29 meses à medida que o real continua se desvalorizando em relação ao dólar, aumentando o atrativo das vendas ao exterior cotadas em dólar.

A produção no Brasil, o maior produtor e exportador do mundo, atingirá um nível recorde neste ano. A queda dos preços pode beneficiar empresas como Starbucks, a maior rede de cafeterias do mundo, e a Nestlé, fabricante das marcas Nescafé e Nespresso.

Na segunda-feira, o café arábica para entrega em setembro caiu 3 por cento e fechou a US$ 1,1165 a libra-peso na ICE Futures U.S. em Nova York, maior queda para um contrato mais ativo desde 11 de outubro.

Antes disso, o preço havia atingido US$ 1,1155, o menor patamar desde 20 de janeiro de 2016. O real teve desvalorização de 1 por cento após acumular queda de 15 por cento no segundo trimestre.

O café caiu 19 por cento desde o fim de 2016 e o real recuou 17 por cento.

Preço do café e cotação do RealA linha branca mostra preço dos contratos futuros de café-arábica em centavos por libra (0,45 kg), com valores na coluna da direita. A linha azul mostra a cotação do real em relação ao dólar, com valores na coluna da esquerda.

A linha branca mostra preço dos contratos futuros de café-arábica em centavos por libra (0,45 kg), com valores na coluna da direita. A linha azul mostra a cotação do real em relação ao dólar, com valores na coluna da esquerda. (Gráfico/Bloomberg)

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!