Persio Arida diz que não é contra teto de gastos – Exame

São Paulo – Uma declaração dada pelo coordenador do programa econômico do pré-candidato à Presidência da República Geraldo Alckmin (PSDB), Persio Arida, gerou polêmica nessa semana. Em palestra proferida na segunda-feira, o posicionamento do economista sobre a emenda Constitucional que limita o avanço dos gastos públicos foi interpretado como contrário à emenda. A EXAME, Persio reiterou a importância da medida: “O teto de gasto deve ser mantido porque, infelizmente, ainda estamos longe de estabilizar a dívida como proporção do PIB”, disse. O economista lembra ainda que a despesa primária do Governo Central subiu de 14,7% do PIB em 1997 para 20% em 2016. “Sem a Emenda Constitucional 95 teria sido maior ainda em 2017”, diz.

No evento em que palestrou, Persio chegou a apostar que o teto continuaria sendo necessário por dois ou três anos, prazo em que o país atingiria, numa previsão otimista, o equilíbrio fiscal. Nesse contexto, ele disse que engessar os gastos do governo por 20 anos não faz sentido, já que a economia é dinâmica. “Dois ou três anos foi uma expressão infeliz da minha parte durante a palestra porque tinha em mente o tempo necessário para voltar a gerar algum superávit fiscal”, explica o economista, que foi presidente do Banco Central (BC) no governo de Fernando Henrique Cardoso e fez parte da equipe que elaborou o Plano Real. “Nossa meta, já anunciada, é zerar o déficit em até dois anos e terminar o quarto ano gerando um superávit entre 2 e 2,5% do PIB”, acrescentou fazendo alusão ao plano econômico atrelado à pré-candidatura de Alckmin.

O chamado teto dos gastos é uma emenda à Constituição aprovada em 2016, no início do governo Michel Temer, para limitar o avanço das despesas públicas à inflação do ano anterior, por um prazo de 10 anos, prorrogáveis por mais 10. A bancada do PSDB votou integralmente a favor da medida.

 

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!