Brasil importando soja? Bem-vindo ao estranho mundo da guerra comercial – Exame

Como os prêmios brasileiros estão se beneficiando com a briga, o país pode aproveitar e ampliar as vendas à maior importadora, a China

Por Isis Almeida e Tatiana Freitas, da Bloomberg

access_time 8 jul 2018, 08h00

A disputa comercial entre EUA e China está agitando o mercado global da soja e pode fazer o Brasil, maior exportador da commodity, recorrer a importações.

Como os prêmios brasileiros estão se beneficiando com a briga, o país pode aproveitar e ampliar as vendas à maior importadora, a China.

Mas para isso terá que recorrer ao farelo de soja da vizinha Argentina, um ingrediente importante e necessário para alimentar a indústria aviária brasileira, segundo o JPMorgan Chase.

O Brasil poderia até mesmo avaliar a importação de soja a um preço menor que o de exportação, disse André Pessôa, presidente da Agroconsult em São Paulo.

A tensão comercial que sacudiu o mercado agrícola nos últimos 30 dias aumentará se o presidente dos EUA, Donald Trump, aplicar tarifas a US$ 34 bilhões em produtos chineses na sexta-feira, conforme o planejado, medida para a qual a China promete retaliação equivalente.

Os EUA são o segundo maior fornecedor de soja para a China e as remessas podem ser reduzidas a menos da metade se as tarifas forem aplicadas. Isso beneficiaria o Brasil, que já é o maior fornecedor para a China.

“Precisaremos trazer farelo de soja da Argentina para o Brasil” para atender à demanda por ração, disse Tracey Allen, analista do JPMorgan em Londres. “Sendo realista, essa é a única forma de possibilitar o fluxo máximo de exportação de soja do Brasil para a China e de atender à demanda interna.”

Devido à queda dos preços da soja dos EUA, o prêmio obtido pelo grão brasileiro sobre os contratos futuros em Chicago já dobrou. Para tirar vantagem disso, o Brasil pode tentar importar uma oferta mais barata de outros lugares, tanto para esmagar no país quanto para reexportar, disse Pessôa.

O Brasil poderia aumentar as importações do Paraguai na próxima safra, disse Ana Luiza Lodi, analista da corretora INTL FCStone em Campinas, São Paulo. É menos provável que ocorram importações dos EUA devido ao custo elevado do frete, disse ela. Uma tarifa de importação de 8 por cento aplicada à soja americana também aumenta o custo das transações.

“Será muito caro transportar grãos dos EUA para as instalações de esmagamento do interior do Brasil, porque elas normalmente ficam perto das regiões agrícolas do Mato Grosso e de outros estados onde os grãos são produzidos”, disse Allen, do JPMorgan. “Veremos certo volume de soja vindo dos EUA para o Brasil, mas não creio que este venha a ser o fluxo de comércio dominante.”

Para atender à demanda do Brasil por farelo de soja, a Argentina, assolada pela seca, pode precisar importar soja dos EUA, e há sinais de que isso já esteja acontecendo. A Argentina se comprometeu a comprar 540.000 toneladas dos EUA na safra 2018-19, que começa em setembro, total que se soma à compra de 89.000 toneladas desta temporada, segundo dados do Departamento de Agricultura dos EUA.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!