Escalada das Tensões Causa uma Queda Generalizada – Investing.com

A tendência para os negócios de hoje é de baixa, seguindo as principais manchetes que propagam a escalada das tensões comerciais entre Estados Unidos e China. Após a tarifação extra de 10% sobre produtos chineses, os agentes econômicos se deram conta de que a administração de Donald Trump não está blefando, ocasionando em uma correção nos mercados. Os índices futuros em Wall Street sinalizam uma abertura de queda, com os futuros do e do S&P sendo negociados em níveis próximos das mínimas do dia. Na Ásia, as principais bolsas tiveram quedas que ultrapassaram 1%. Na Europa, idem, o índice composto Eurostoxx 600 registra queda de 1,1%.

Sem uma clara noção do resultado dessas tensões comerciais, os mercados vivem na incerteza, que pode permanecer por um longo período. O sofre uma valorização em relação aos seus principais pares, exceto pelo euro — que subiu com a sinalização do Banco Central Europeu de que a taxa básica de juros pode subir antes do esperado. O euro chegou a ser negociado a US$ 1,1760 em sua máxima, mas devolveu seus ganhos e oscila próximo de US$ 1,1747. Já a continua a sofrer uma depreciação, aumentando preocupações com uma possível intervenção do Banco Popular da China. Veja abaixo:

Nas commodities, os preços do peteleco sofrem uma queda diante aumento da oferta. O Arábia Saudita produziu mais de 400.000 barris de em junho, de acordo com o relatório de petróleo da OPEP. Outros países importantes também aumentaram sua produção, como o Iraque, a Nigéria e o Kuwait. Por outro lado, houve uma queda na Angola, Líbia e Venezuela; nações que têm um colapso político ou econômico.

Petróleo WTI

Na agenda do dia, o mercado de petróleo deve aguardar às 11h30 os de petróleo bruto dos Estados Unidos. Os estoques subiram 1,245M na última semana, e a expectativa é de que haja uma queda de 4,489M. Apesar da queda, o mercado permanece bastante otimista quanto a oferta de petróleo nos EUA, que continua próxima de suas máximas históricas.

Brasil

Com o mercado acionário em compasso com o cenário externo, a bolsa registra queda de 0,4%. Sem um destaque definitivo nas quedas, os ativos do setor industrial e de consumo possuem as piores quedas. No câmbio, o sobe com aversão ao risco. A R$ 3,824, o dólar registra alta de 0,5%, impulsionando ativos de materiais básicos.

Na agenda local, o IGP-M variou 0,41% no primeiro decêndio de julho, abaixo da taxa apurada em junho (1,50%). O grupo de Alimentação registrou uma queda de 0,14%, ajudando a limitar a alta do índice. Ajudou também para a queda o grupo de vestuário. Entre as maiores altas estão os grupos de Transportes e Habitação.

Agenda do dia

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!