Índice Big Mac de julho mostra Real subvalorizado em 20% – Exame

Suposta taxa de equilíbrio seria de 3,07 reais por dólar, segundo índice de julho. Quando se considera o custo da mão de obra, Brasil é líder mundial

access_time 12 jul 2018, 12h58 – Publicado em 12 jul 2018, 12h49

São Paulo – O Índice Big Mac de julho, divulgado nesta quarta-feira (11) pela revista britânica The Economist, indica que o Real está subvalorizado em 20% em relação ao dólar.

O cálculo parte do conceito de paridade de poder de compra. Em teoria, as taxas de câmbio tenderiam a caminhar no longo prazo para que um determinado bem ou serviço tivesse o mesmo preço em dólar em qualquer país.

O Big Mac foi escolhido como referência por causa da grande presença internacional do McDonald’s ao redor do mundo, o que facilita a comparação.

Os dados atuais mostram que o preço do sanduíche no Brasil é atualmente de R$ 16,90. Isso é o equivalente a US$ 5,51, considerando a cotação atual de 3,84 reais por dólar.

O preço do sanduíche nos Estados Unidos, usado como referência geral, é de US$ 5,28. Isso implica que a suposta taxa de câmbio que equilibraria esta relação seria de 3,07 reais por dólar.

Ela é mais baixa do que a atual – ou seja, sugerindo que o Real estaria subvalorizado em 20,7%, o oitavo lugar entre os 48 países monitorados.

Há países com moedas muito mais subvalorizadas em relação a taxa esperada, o que mostra de forma geral o movimento mundial de valorização do dólar.

A subvalorização é notável tanto em países desenvolvidos como Reino Unido (-23,2%) e Japão (-36,.4%) quanto em emergentes como Argentina (50,9%), Turquia (58,5%) e Rússia (62%).

Por este cálculo, apenas dois países estão atualmente com sua moeda sobrevalorizada em relação ao dólar: a Suíça (+18,8%), Noruega (+18,2%) e Suécia (+5,8%).

Índice ajustado

O método de apenas comparar preços e moedas já foi criticado por ignorar que países mais pobres tem em geral menor custo de mão de obra – e que isso, por si só, ajudaria a deixar o Big Mac mais barato.

Em resposta, a Economist começou a calcular um índice Big Mac “gourmet”, que leva isso em conta.

A segunda análise, portanto, é se uma determinada moeda está sobrevalorizada ou subvalorizada comparando com o que se esperaria dado o nível de desenvolvimento de um país, expresso pelo PIB per capita.

Neste critério, o Brasil dispara e é líder absoluto entre todos os países, com preço 34,7% acima do esperado, seguido de perto pela Colômbia com 33,7%.

Histórico

O Índice Big Mac é calculado pela Economist desde 1986, já foi incluído em livros didáticos e serviu de tema para mais de 20 trabalhos acadêmicos.

Mas a própria revista avisa que o Índice Big Mac não tem pretensão científica e é “meramente uma ferramenta para tornar a teoria de taxas de câmbio mais palatável”.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!