FMI diz que dívida da Argentina chegará a 65% do PIB este ano – Exame

Buenos Aires – O Fundo Monetário Internacional (FMI) espera que a dívida do governo da Argentina chegará ao pico no fim do ano e depois vai cair, à medida que o país reduza seu déficit como parte do acordo de 50 bilhões de dólares com o fundo, de acordo com um documento publicado nesta sexta-feira.

A previsão é de a dívida chegar ao máximo de 65 por cento do PIB antes de cair para 56 por cento em 2021, o último ano do programa, escreveram técnicos do FMI no documento produzido antes da aprovação do acordo. O documento não tinha sido divulgado previamente.

Uma corrida do peso no início desde ano, em meio a um recuo mundial de investidores dos mercados emergentes e preocupações sobre a habilidade do governo argentino de lutar contra a inflação levou o país a pedir um acordo de stand by com o Fundo em maio.

O documento do FMI também define políticas que o governo deve adotar para reduzir o déficit. Algumas delas não estão incluídas na carta de intenções da Argentina do mês passado, a qual delineava os passos que seriam tomados para reduzir o déficit. As políticas do FMI que não estão na carta incluem manter das tarifas de exportação de soja em uma média de 25,5 por cento, e adiar a implementação de partes das mudanças tributárias do ano passado.

Em um comunicado divulgado junto com o documento, o chefe da missão do FMI para a Argentina, Roberto Cardarelli, disse que a economia do país da América do Sul poderia encolher no segundo e terceiro trimestres. O documento prevê crescimento de 1,5 por cento em 2019 e “cerca de 3 por cento” em 2020.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!