Açúcar: Menor Volume Negociado no Spot e Também Para Contratos em Junho – Investing.com

No correr de junho, o Cepea captou menor volume de negociado no spot e também para contratos. As estimativas de uma safra 2018/19 mais alcooleira têm se refletido nos preços do açúcar cristal negociado no spot do estado de São Paulo. O Indicador do Açúcar Cristal CEPEA/ESALQ (estado de São Paulo) acumulou alta de 4,79% em junho, fechando a R$ 58,40/saca de 50 kg no dia 29. A média mensal foi de R$ 57,80/saca de 50 kg, 6,5% superior à de maio (R$ 54,27/saca de 50 kg), mas 20% abaixo da de junho/17 (R$ 72,25/saca de 50 kg), em termos nominais. O Indicador de Açúcar Cristal ESALQ/BVMF – Santos acumulou alta de 7,01% em junho, fechando a R$ 59,53/saca de 50 kg no dia 29. A média mensal deste indicador foi de R$ 58,67/saca de 50 kg, 7,13% superior à de maio/18 (R$54,77/saca de 50 kg), porém, 17,16% abaixo da média de junho/17 (R$ 70,82/saca de 50 kg), em termos nominais.

Na Bolsa de Nova York (ICE Futures), as cotações do demerara oscilaram em junho. A retração na produção de açúcar no Centro-Sul brasileiro foi fator de sustentação de preços, enquanto a forte valorização do frente ao Real pressionou os valores, uma vez que estimulou as exportações. Somando-se aos fatores baixistas, a boa produção em outros países, como Índia e Tailândia, e no bloco europeu deverá confirmar o superávit global de açúcar. A Green Pool elevou sua projeção para excedente de 19,56 milhões de toneladas na atual safra mundial de 2017/18.

Cálculos do Cepea indicaram que as vendas internas do açúcar remuneraram, em média, 5,3% a mais que as externas em junho. Esse cálculo considera o valor médio do Indicador CEPEA/ESALQ e do vencimento Julho/18 do Contrato nº 11 da Bolsa de Nova York, prêmio de qualidade estimado em US$ 58,57/tonelada e custos com elevação e frete de US$ 54,53/tonelada.

Segundo a Secex, as exportações de açúcar bruto (VHP) totalizaram 1,71 milhão de toneladas em junho/18, volume 6% menor que o de maio/18 (1,81 milhão de toneladas) e 35% inferior ao de junho/17 (2,64 milhões de toneladas). Em relação ao açúcar branco, foram exportadas 221,5 mil toneladas em junho/18, volume 21,4 % inferior ao de maio/18 (281,8 mil toneladas) e 51,1% menor que o de junho/17 (452,8 mil toneladas).

O preço médio do açúcar bruto exportado foi de R$ 1.101,2/t em junho/18, 1,4% maior que maio/18 (R$ 1.085,4 /t), mas 17,9% inferior ao de junho/17 (R$ 1.340,8/t). Em relação ao açúcar branco, o preço médio foi de R$ 1.284,2 /t, alta de 6,7% em relação a maio/18 (R$ 1.203,7/t), mas baixa de 12,2% em comparação com junho/17 (R$ 1.462,5/t), em termos nominais. A receita com a exportação de açúcar foi de R$ 2,16 bilhões em junho/18, respectivas baixas de 6% e de 48,5%.

PRODUÇÃO – Segundo a Unica, no acumulado da atual temporada 2018/19 (de abril/18 até a primeira quinzena de junho/18), a produção de açúcar na região Centro-Sul totalizou 7,47 milhões de toneladas, 7,83% a menos que em igual período da safra anterior. Em São Paulo, usinas produziram 5,326 milhões de toneladas, 5,33% abaixo do volume da temporada 2017/18.

NORDESTE – Na primeira semana do mês, o ritmo dos negócios esteve aquecido e os preços, em alta, influenciados pela elevação nos valores dos fretes e também do adoçante em Goiás. A partir da segunda semana até o final de junho, apesar do produto estar com a oferta cada vez mais restrita, a demanda se retraiu, já que vários compradores já estavam abastecidos no início do mês. Quanto aos preços, continuaram firmes.

Em junho, o Indicador mensal do açúcar cristal CEPEA/ESALQ em Pernambuco teve média de R$ 66,22/sc de 50 kg, alta de 9,09% em comparação com maio/18 e recuo de 15,64% frente a junho/17, em termos nominais. Em Alagoas, o Indicador mensal foi de R$ 63,71/sc, 2,89% maior que em maio/18 e 22,51% abaixo do de junho/17, também em termos nominais. Na Paraíba, o Indicador mensal do cristal CEPEA/ESALQ foi de R$ 52,95/sc, alta de 4,79% na comparação com maio/18 e queda de 17,89% frente a junho/17.

De acordo com o Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool no estado de Alagoas (Sindaçúcar-AL), apesar de a safra 2017/18 ter sido encerrada em abril, as exportações de açúcar do estado continuam sendo realizadas. Desde o início da safra (em setembro e outubro/17) até junho/18, segundo relatório da Empresa Alagoana de Terminais (Empat), mais de 767 mil toneladas de açúcar do tipo VHP deixaram o porto de Maceió. O açúcar alagoano foi exportado para oito países (Argélia; Canadá, Rússia, Estados Unidos, Tunísia, Venezuela, Reino Unido e Croácia).

Série estatística

Evolução de preços

Evolução de preços

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!