EUA: bancos ganham com mudanças de políticas mas preocupações crescem – Exame

Investidores estavam preocupados com força dos negócios e que conversas internacionais sobre tarifas e políticas imigratórias poderiam prejudicar resultados

Por Matt Scuffham e David Henry, da Reuters

access_time 13 jul 2018, 18h31 – Publicado em 13 jul 2018, 18h30

Nova York – Os resultados trimestrais de três dos maiores bancos dos Estados Unidos mostraram que o setor está se beneficiando de mudanças de políticas em Washington, que reduziram impostos, elevaram a taxa de juros e permitiram mais recompras de ações.

Os investidores estavam céticos, preocupados com o fato de os negócios não serem tão fortes quanto poderiam ser e que a dura conversa com líderes internacionais sobre tarifas comerciais e políticas imigratórias poderia prejudicar seus resultados.

“Com as tarifas, há esse elemento de incerteza e as pessoas não estão ansiosas para tomar empréstimos em um momento em que há incerteza”, disse JJ Kinahan, estrategista-chefe de mercado da TD Ameritrade.

O Wells Fargo foi o único dos três bancos cujo lucro não atendeu às expectativas de Wall Street. O banco impactado por escândalos foi prejudicado por custos relacionados irregularidades cometidas e declínio nos empréstimos imobiliários. Embora o Citigroup tenha superado as estimativas de lucro, suas receitas ficaram aquém das expectativas.

O crescimento dos empréstimos do Citigroup disse pouco sobre a economia dos Estados Unidos, porque veio em grande parte de empresas que buscavam empréstimos internacionais e financiamento para capital de giro, bem como de clientes de bancos privados na Ásia, disse o vice-presidente financeiro, John Gerspach, a jornalistas.

O JPMorgan, o maior banco dos Estados Unidos em ativos, teve os resultados mais fortes, com o lucro saltando 18 por cento em relação ao mesmo período do ano passado, com fortes receitas comerciais e crescimento de empréstimos. Mas o presidente do banco, Jamie Dimon, alertou que os clientes estão preocupados com uma guerra comercial global depois que o presidente norte-americano, Donald Trump, elevou sua retórica protecionista nas últimas semanas.

Tanto o JP Morgan quanto o Citigroup se beneficiaram da forte negociação de ações durante o trimestre – a receita de negociação de ações do JP Morgan aumentou 24 por cento, enquanto no Citi houve crescimento de 19 por cento. Isso é um bom presságio para Bank of America, Goldman Sachs e Morgan Stanley, que têm operações de corretagem significativas e devem apresentar resultados trimestrais na próxima semana.

Apesar de um ambiente favorável de negociação, as ações dos bancos norte-americanos tiveram um desempenho abaixo do esperado neste ano porque os investidores acreditam que os lucros recordes são resultado de cortes de impostos e recompras de ações em vez da força em seus negócios, segundo analistas.

Os investidores querem ver mais crescimento em receita e lucro antes dos impostos, de acordo com Charles Peabody da Portales Partners, que disse na quinta-feira que o forte crescimento nos lucros “vem da engenharia financeira: corte de impostos e recompras de ações”.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!